Eleição interna do PT deve ter segundo turno no Rio e em Minas

Por Brasil Econômico - Gilberto Nascimento | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

O resultado nesses dois Estados definirá quem vai coordenar as campanhas ao governo

Brasil Econômico

O resultado da eleição interna no PT só deve ser conhecido hoje. Mas é esperado o segundo turno em Estados como Rio, Minas Gerais, Tocantins, Amazonas e, possivelmente, no Pará. No Rio e em Minas, o resultado definirá quem vai coordenar as campanhas ao governo do senador Lindbergh Farias e do ministro Fernando Pimentel, respectivamente. No Rio, Benedita da Silva e Jorge Florêncio devem disputar para saber quem enfrenta no segundo turno o prefeito de Maricá, Washington Quaquá. Benedita e Quaquá são da tendência majoritária petista Construindo um Novo Brasil (CNB). Em Pernambuco, três candidatos da mesma corrente disputaram o diretório. Em Brasília, outros dois candidatos da CNB concorreram. Em São Paulo, a apuração era lenta até ontem.

Conheça a nova home do Último Segundo

Leia outras colunas do Mosaico Político

Mas dava-se como certa a vitória do ex-prefeito de Osasco Emídio de Souza para comandar o diretório estadual paulista. Emídio vai coordenar também a campanha ao governo do ministro da Saúde, Alexandre Padilha. Reconduzido ao cargo, o atual presidente do diretório nacional do PT, Rui Falcão, disse que o resultado do PED (Processo de Eleições Diretas) não deve interferir no processo das alianças. “Independentemente do PED, nossas direções estaduais têm uma sintonia com a linha nacional. Nossa orientação nacional é reeleger a presidente Dilma e fazer o maior número possível de deputados e senadores”, diz Falcão. Segundo ele, o PT deve lançar de 10 a 12 candidatos a governador. O atual secretário-geral do PT, Paulo Teixeira, da corrente Mensagem do Partido, disse que o seu grupo confirmou o posto de segunda força do partido e deve manter o cargo.

O Serra petista

O ministro da Saúde e pré-candidato ao governo de São Paulo, Alexandre Padilha, chegou com mais de uma hora de atraso na votação nas eleições internas do PT, domingo, no diretório em Campo Limpo, zona sul paulistana. O presidente e candidato à reeleição do diretório nacional, Rui Falcão, que o aguardava ao lado de vários outros petistas, havia chegado pontualmente às 9h30, conforme haviam combinado. Ele olhou o relógio e perguntou: "Vai ser assim?". Padilha se desculpou e disse que não. O ministro, momentos antes, havia acompanhado Emídio de Souza na votação em Osasco, município da Grande São Paulo.

Procuram-se cassados

A Câmara Municipal de São Paulo está à procura de 15 vereadores (ou seus familiares) eleitos e impedidos de exercerem seus mandatos por motivos ideológicos, entre 1937 e 1969. No total, foram cassados 42. Sobre os 15, não há informações. O objetivo é restituir seus direitos políticos.

Maioria não tem perfil político definido

A maioria dos paulistanos - 51% - não tem perfil político definido, segundo pesquisa da agência Cause. A outra parte é dividida quase que uniformemente entre perfis de esquerda (18%), direita (15%) e centro (15%). A Cause é uma agência criada pelo cientista social Leandro Machado e o antropólogo Rodolfo Gutilla. “As pessoas que participam de manifestações estão unidas por causas como o combate à corrupção e não veem conexão com ideologias”, diz Machado.

PRB vai lançar religiosos da Universal

O PRB pretende lançar três religiosos da Igreja Universal do Reino de Deus como candidatos a deputado federal em São Paulo. O Bispo Antonio Bulhões e o pastor Otoniel Lima, já federais, concorrerão à reeleição. O terceiro nome é o pastor Vinicius Carvalho. Para estadual, concorrem Grace Pereira, locutora gospel, e Gilmaci Santos e Sebastião Santos (os dois últimos já deputados).

Márlon Reis, juiz, um dos autores da Lei da Ficha Limpa: “Seria um grande avanço se essas pessoas (com ficha suja) fossem proibidas de participar da administração”.

Leia tudo sobre: mosaico político

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas