Kassab reclamou de Haddad para Dilma por não ter tratamento de aliado

Por Brasil Econômico - Gilberto Nascimento | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Ministério Público paulista estaria convencido de que, se Kassab e o seu secretário de Finanças Mauro Ricardo não são culpados, teriam de responder por omissão

Brasil Econômico

No alto escalão da prefeitura de São Paulo, comentava-se ontem que o ex-prefeito Gilberto Kassab (PSB) tem reclamado de Fernando Haddad pelos quatro cantos. Teria recorrido até à presidente Dilma Rousseff, mais de uma vez. Diz que não teve tratamento de aliado. Aliados de Haddad dizem que o Ministério Público paulista estaria convencido de que, se Kassab e o seu secretário de Finanças Mauro Ricardo não são culpados, teriam de responder por omissão. O atual secretário de Finanças, Marcos Cruz, diz que levou “apenas duas horas” para descobrir que havia alguma coisa errada no órgão municipal. O ex-prefeito Kassab, por meio de sua assessoria, negou que tenha reclamado a Dilma. Disse ainda que não comentaria a afirmação atribuída ao MP.

Conheça a nova home do Último Segundo

Leia outras colunas do Mosaico Político

Vitória de grupo de Lula garantirá alianças do PT

A presidente Dilma deverá votar nas eleições internas do PT no próximo domingo na sede do diretório nacional petista, em Brasília. O ex-presidente Lula votará em São Bernardo do Campo, onde mora. Até ontem à tarde, dirigentes petistas tentavam garantir a presença de Lula ao lado do candidato à reeleição na presidência do diretório nacional, Rui Falcão, e do candidato a presidente em São Paulo, Emídio de Souza, no momento do voto dos dois. Lula espera a confirmação da vitória expressiva da corrente majoritária do PT Construindo um Novo Brasil (CNB) a fim de consolidar as alianças do partido para a campanha de Dilma Rousseff à reeleição. Grupos mais à esquerda são contrários às alianças com partidos como o PMDB e PTB. Mas devem permanecer isolados.

O deputado estadual paulista Rui Falcão deve ser reeleito com cerca de 70% dos votos, o maior percentual desde que o partido instituiu, em 2001, o chamado PED (Processo de Eleição Direta). Ele tem ainda o apoio dos grupos Novo Rumo, PTLM e Movimento PT. Estarão aptos a votar 810 mil filiados em todo o Brasil. Seis candidatos concorrem à presidência: Falcão, Paulo Teixeira (Mensagem ao Partido); Renato Simões (Militância Socialista); Valter Pomar (Articulação de Esquerda), Markus Sokol (O Trabalho) e Serge Goulart (Esquerda Marxista). O deputado federal e atual secretário-geral Paulo Teixeira, da Mensagem – que detém 15% dos votos no partido -, diz estar convicto de que seu grupo continuará sendo a segunda força no PT. Assim, manteria a secretaria-geral. “Fizemos uma agenda de mudança. E vamos crescer de 15% para 22%”, garante.

Mensagem atraiu setores da CNB

A corrente Mensagem conseguiu apoio de alguns nomes do PT que eram ligados à CNB, entre eles os deputados Luiz Couto (PB), Fernando Ferro (PE) e Reginaldo Lopes (MG). Mas há também quem aposte no grupo Movimento PT, do líder do governo na Câmara Arlindo Chinaglia, como segunda força.

Vereador cria o prêmio de teatro “Zé Renato”

O vereador paulistano Floriano Pesaro (PSDB) apresentou projeto para a criação do Prêmio Zé Renato de Teatro, para apoiar “a produção e o desenvolvimento da atividade teatral”. Morto em 2011, José Renato fundou o Teatro de Arena e dirigiu peças como “Rasga Coração”, de Oduvaldo Viana Filho. O projeto foi aprovado em primeira votação na Câmara e deve ir a plenário novamente na próxima semana.

Fux fala sobre código civil

O ministro do Supremo Tribunal Federal Luiz Fux abre nesta sexta-feira (8), às 9 horas, no Centro Cultural da Justiça Federal, no Rio de Janeiro, a quarta edição do Congresso de Direito Contemporâneo. Fux falará sobre o novo Código de Processo Civil. O tema do congresso é “A educação para um mundo sustentável”. A última edição do congresso reuniu quatro mil estudantes.


Marcelo Branco, da Associação Software Livre, ao considerar o marco civil uma referência internacional em legislação da internet: “Estamos aprovando a legislação mais moderna do mundo, uma 'carta magna' da internet brasileira”


Leia tudo sobre: KassabHaddadinvestigaçãoDilmaigspMosaico Político

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas