Siemens terá dez dias para explicar denúncias à Controladoria-Geral da União

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Órgão avaliará retirada da multinacional do Cadastro Pró-Ética, de empresas empenhadas em "reduzir corrupção"

Agência Estado

A Controladoria-Geral da União (CGU) enviou nesta segunda-feira (19) notificação para que a Siemens se explique, em até dez dias, sobre as denúncias de envolvimento em cartel e suborno de agentes públicos no Brasil. O órgão avaliará, juntamente com parceiros, a retirada da multinacional do Cadastro Pró-Ética, que reconhece as empresas empenhadas em "reduzir riscos de fraude e corrupção, na busca de um ambiente mais íntegro".

O rol tem hoje 15 empresas de grande porte, como Infraero, Duratex, Caixa Econômica Federal (CEF) e Eletropaulo, que pleitearam a inclusão a um comitê gestor multilateral - além da CGU, fazem parte desse colegiado representantes de oito instituições, como o Instituto Ethos, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) e a Federação Brasileira de Bancos (Febraban). A entrada na lista, criada em abril de 2011, serve às interessadas como um carimbo de compromisso com as boas práticas corporativas.

Leia também:
Alckmin vai processar Siemens por cartel em licitações do metrô
Alvo de denúncias, Alckmin diz que SP ‘não foi o único que teve cartel’

Divulgação
Obra da Linha 5-Lilás do Metrê de São Paulo

A Siemens foi uma das primeiras admitidas, em agosto do mesmo ano, após se envolver, a partir de 2007, em escândalo de escala global que resultou em multa bilionária e sanções em vários países.

Mais sobre o caso:

Manifestantes criam adesivo para avisar população sobre cartel no Metrô

Superfaturamento de cartel de trens e metrô pode chegar a R$ 577 milhões

Manifestação em São Paulo muda posição e adota o "Fora, Alckmin!"

Para ser aprovado no Pró-Ética, é preciso preencher um questionário e apresentar documentos que comprovem o engajamento contra fraudes. Desde a criação do cadastro, 138 empresas iniciaram o preenchimento do questionário, mas só 30 concluíram, sendo a metade aprovada.

Para passar no funil, apesar do histórico recente de denúncias, a multinacional alemã alegou não ter diretores e gerentes condenados por corrupção e informou proibir práticas dessa natureza em seus contratos.

No comunicado enviado nesta segunda, em nome do comitê gestor, a CGU requer esclarecimentos que demonstrem, à luz das novas denúncias, o compromisso da multinacional "em promover a ética e combater a corrupção".

Em 6 de setembro, o comitê gestor deve se reunir e deliberar sobre eventual suspensão ou exclusão do cadastro. "Espera-se que nos sejam enviadas informações capazes de demonstrar a efetiva aplicação das medidas previstas no programa de integridade da empresa. Acrescenta-se que seria de grande valia para avaliação do comitê esclarecer-se se há fatos que envolvam a Siemens em irregularidades após a entrada da empresa no cadastro", diz a notificação.

Leia tudo sobre: POLÍTICAcartelesquemacartel no metrôSiemensdenúnciaslicitações

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas