Dilma recebe MPL, governadores e prefeitos para discutir manifestações

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Onda de protestos no País motivou encontro com líderes. Movimento Passe Livre, que organizou atos contra novas tarifas, declarou-se surpreso com convite feito pela presidente

Depois de uma semana de manifestações nas principais cidades do país, a presidenta Dilma Rousseff recebe nesta segunda-feira o Movimento Passe Livre (MPL), governadores e prefeitos das capitais. Na sexta-feira (21), em cadeia nacional de rádio e televisão, ela defendeu o direito de protestar, mas condenou o vandalismo e os atos de violência. A presidenta disse que está atenta às reivindicações e que o pedido de mudança é legítimo.

Reprodução
Dilma Rousseff durante fala em cadeia nacional sobre a onda de protestos no País

“Os manifestantes têm o direito e a liberdade de questionar e criticar tudo, de propor e exigir mudanças, de lutar por mais qualidade de vida, de defender com paixão suas ideias e propostas, mas precisam fazer isso de forma pacífica e ordeira”, disse na ocasião.

Artigo: A presidenta Dilma Rousseff falou, mas não disse

Dilma convoca governadores para 'grande pacto' de melhoria dos serviços públicos

A presidente conversa com os líderes dos protestos, às 14h. Em sua página na internet, o MPL publicou uma carta aberta declarando-se "surpreso" com o convite feito pela presidente para uma reunião.

O documento será entregue pelos ativistas no encontro no Palácio do Planalto e defende a tarifa zero, a municipalização da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (CIDE) e mais verbas do governo federal aos municípios para que sejam adotadas políticas de priorização do transporte público em todo o País. Eles afirmaram ser contra a desoneração de impostos.

Mais: Governador de Minas vai para Brasília se reunir com Dilma

"Gostaríamos de conhecer o posicionamento da presidente sobre a tarifa zero no transporte público e sobre a PEC 90/2011, que inclui o transporte no rol dos direitos sociais do artigo 6º da Constituição Federal", diz a carta.

Após a reunião com os líderes, Dilma deve se encontrar com os prefeitos das capitais às 16h, mas antes, ao meio-dia, eles participam de reunião na sede da Frente Nacional de Prefeitos. Paralelamente, o secretário-geral da Presidência, Gilberto Carvalho, estará, às 15h, no Rio de Janeiro, para se reunir com o governador Sérgio Cabral e com o prefeito Eduardo Paes.

Manifestações

No Distrito Federal, há manifestação marcada em Taguatinga, a maior cidade dos arredores do Plano Piloto, cuja concentração está prevista para as 14h, na Praça do Relógio. De acordo com líderes do movimento, o protesto é contra a qualidade dos serviços públicos, a corrupção e os gastos na Copa das Confederações e na Copa do Mundo de 2014.

Em São Paulo, a previsão é que os protestos ocorram apenas amanhã (25). Há um ato organizado na capital. A concentração está marcada para as 7h, no Largo do Campo Limpo e no Capão Redondo.

Na semana passada, os protestos levaram, em algumas cidades, à redução das tarifas de ônibus, cuja reivindicação predominou nos atos. “As manifestações da semana trouxeram importantes lições: as tarifas baixaram e as pautas dos manifestantes ganharam prioridade nacional. Temos que aproveitar o vigor destas manifestações para produzir mais mudanças, mudanças que beneficiem o conjunto da população brasileira”, disse Dilma.

A presidente lembrou que a geração dela lutou muito para que a voz das ruas fosse ouvida. “Muitos foram perseguidos, torturados e morreram por isso. A voz das ruas precisa ser ouvida e respeitada, e ela não pode ser confundida com o barulho e a truculência de alguns arruaceiros. Sou a presidenta de todos os brasileiros, dos que se manifestam e dos que não se manifestam. A mensagem direta das ruas é pacífica e democrática”, ressaltou.

*com Agência Estado e Agência Brasil


compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas