Ao discutir o horário do tribunal para atender advogados, o presidente do CNJ e do STF ironizou: 'Mas a maioria dos advogados não acorda lá pelas 11 horas da manhã mesmo?'

Agência Estado

Um comentário do presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ministro Joaquim Barbosa, provocou desconforto entre alguns advogados. Ao discutir a decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo de abrir às 9h, mas atender os advogados apenas a partir das 11h, Barbosa fez o que depois chamou de uma piada: "Mas a maioria dos advogados não acorda lá pelas 11 horas da manhã mesmo?"

Leia mais sobre Joaquim Barbosa:

Barbosa manda repórter ‘chafurdar no lixo’ e depois pede desculpas

Barbosa diz que juízes são 'pró-impunidade' e magistrados reagem

OAB chama de 'ofensivas' as críticas de Barbosa sobre novos tribunais

Um dos advogados interessados no processo, Márcio Kayatt, pediu então a palavra para rebater o comentário, mas Barbosa o cortou: "Vossa excelência não tem essa prerrogativa de se referir ao comentário que fiz em tom de brincadeira com os meus colegas conselheiros".

Barbosa causa desconforto com brincadeira sobre advogados em reunião do CNJ
Fellipe Sampaio/SCO/STF
Barbosa causa desconforto com brincadeira sobre advogados em reunião do CNJ

Barbosa defendeu a regra do TJ-SP. O ministro disse que fechar o atendimento para os advogados por certo período não seria cercear o acesso à Justiça. "A constituição brasileira não outorga direito absoluto a ninguém", afirmou. "Um cartório que atende das 9h às 19h e reserva uma hora para serviços internos fere o direito dos advogados? Caminhar por essa direção será dar um tiro pela culatra", disse.

Perfil: Aclamado pela opinião pública, Barbosa coleciona polêmicas entre colegas

Se a norma for derrubada, como defendem alguns conselheiros do CNJ, Barbosa afirmou que os funcionários ficarão "chateados, ressentidos, com pouca boa vontade de atender". "Vamos deixar de lado o corporativismo, conselheiro. Impedir o Tribunal de ter uma hora para a sua organização interna não é razoável", disse.

Barbosa mantém relação tumultuada com os advogados. No STF, ele só recebe os advogados de um caso se a outra parte interessada esteja presente. No CNJ, já acusou a existência de conluio entre advogados e juízes. Durante o julgamento do mensalão, ele se irritou com o pedido de advogados para que se declarasse suspeito no caso.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.