CNJ apura venda de decisões no Tribunal de Justiça do Paraná

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Denúncias atingem o presidente do TJ-PR e tiveram início após uma disputa de guarda de filhos, no qual os juízes teriam recebido R$ 200 mil para beneficiar uma das partes

Agência Estado

O corregedor nacional de Justiça, Francisco Falcão, e o juiz auxiliar da Corregedoria Geral do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Jefferson Luis Kravchychyn, confirmaram na manhã desta sexta-feira (26), em entrevista coletiva, que o órgão está apurando denúncias de tráfico de influência e vendas de decisões judiciais no Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR). "A atuação da corregedoria será rigorosíssima e vamos agir com 'mão de ferro', doa a quem doer", afirmou Falcão.

As denúncias atingem o presidente do TJ-PR, Clayton Camargo, e o desembargador Rafael Augusto Cassetari, aposentado no início do ano. O caso teve início após uma disputa pela guarda de filhos, na qual a denunciante afirmou que Clayton e Rafael teriam recebido R$ 200 mil para beneficiar uma das partes.

TJ-BA

Em abril, o corregedor nacional de Justiça determinou também a abertura de sindicâncias para apurar suspeitas de irregularidades no TJ da Bahia, entre as quais, erros no cálculo de precatórios e extravio de um processo, que teriam provocado excesso de R$ 448 milhões nos pagamentos.

O presidente da corte baiana, desembargador Mário Alberto Simões Hirs, um dos investigados, negou, no dia 17, a existência de qualquer irregularidade. Ele ainda ameaçou instaurar ações contra a União pela divulgação das suspeitas.

Leia tudo sobre: JustiçaTJ-PRCNJ

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas