Presidente do STF afirmou em reunião tensa com associação de juízes que a aprovação de mais quatro TRFs foi feita de forma 'sorrateira' e 'à base de cochichos'

O Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) divulgou nota em que chama de "impertinentes e ofensivas" as declarações do presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Joaquim Barbosa, sobre a criação de novos tribunais regionais federais (TRFs). Em reunião com dirigentes de associações de juízes na segunda-feira (8), Barbosa afirmou que a aprovação dos quatro tribunais ocorreu de forma "sorrateira" e "à base de cochichos".

Leia mais: Em reunião tensa, Barbosa critica criação 'sorrateira' de novos tribunais

Durante a reunião, o presidente do STF disse, em tom de ironia, que as novas sedes, aprovadas pela Câmara na semana passada, seriam instaladas "em resorts". Em resposta, a OAB afirma que a criação dos tribunais tramitou normalmente no Congresso e foi debatida publicamente. "Ao aprovar a PEC 544/2002, após a realização de audiências públicas e intenso debate parlamentar, o Congresso Nacional exerceu, com ponderáveis e justas razões, o poder constituinte derivado, que lhe é exclusivo e indelegável", diz trecho da nota.

As declarações de Barbosa também provocaram reação das associações de classe da magistratura, que divulgaram nota. Elas afirmam que Barbosa atuou "de forma desrespeitosa, premeditadamente agressiva, grosseira e inadequada para o cargo que ocupa".

Leia também: Novos tribunais contratarão 2,7 mil servidores

Exclusivo: Nova estrutura da Justiça Federal pode custar R$ 923 milhões

No documento, indicam que já esperam o fim do mandato do atual presidente. "Como tudo na vida, as pessoas passam e as instituições permanecem. A história do Supremo Tribunal Federal contempla grandes presidentes e o futuro há de corrigir os erros presentes", afirmaram os presidentes da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), Nelson Calandra; da Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), Nino Toldo; e da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), João Bosco de Barcelos Coura.

Com Agência Estado

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.