Nicolau dos Santos Neto foi condenado a 48 anos de prisão por desvios de recursos durante a construção do Fórum Trabalhista de São Paulo

Agência Brasil

O Supremo Tribunal Federal (STF) confirmou a primeira condenação definitiva do juiz aposentado Nicolau dos Santos Neto pelo crime de lavagem de dinheiro, cometido durante a construção do Fórum Trabalhista de São Paulo na década de 1990. Havia risco de o crime prescrever amanhã (4).

Leia mais:

Justiça Federal manda Nicolau de volta para a cadeia

Com o trânsito em julgado da condenação, quando não há possibilidade de recorrer, começa a execução definitiva da pena de nove anos de reclusão, perda dos bens e multa de R$ 600 mil.

O juiz Nicolau dos Santos Neto, na época em que veio à tona o escândalo sobre as obras do TRT
AE
O juiz Nicolau dos Santos Neto, na época em que veio à tona o escândalo sobre as obras do TRT

O juiz aposentado responde por outros crimes em ações penais propostas pelo Ministério Público Federal envolvendo desvio de verbas públicas durante a construção do prédio do Fórum Trabalhista. Em valores atualizados, o rombo aos cofres públicos pode ter chegado a R$ 999 milhões.

Nicolau foi condenado pelo Tribunal Regional Federal da 3ª Região a penas que, somadas, resultam em 48 anos de prisão. Desse total, 14 anos já prescreveram. As penas prescritas têm relação com a prática dos crimes de estelionato e evasão de divisas.

Leia também:

Suíça vai devolver ao Brasil parte do dinheiro desviado pelo juiz Lalau

Luiz Estevão terá de pagar R$ 468 milhões por desvio de recursos do TRT-SP

Nicolau dos Santos Neto teve a prisão domiciliar preventiva, que teve início em 2007, suspensa no final do mês passado. Exames médicos indicaram que sua condição de saúde era estável, o que não justificava cuidados especiais em casa.

Na última quinta-feira (28), o juiz foi transferido da carceragem da Polícia Federal na capital paulista para aPenitenciária Doutor José Augusto Salgado, em Tremembé, no Vale do Paraíba, onde permanece detido.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.