Em clima de campanha, Alckmin anuncia R$ 2,4 bilhões em auxílios para prefeitos

Por Natália Peixoto , iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Em primeiro encontro com prefeitos, governador de São Paulo negou que pacote de bondades seja parte da antecipação das eleições de 2014

A menos de dois anos do fim de seu mandato, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), anunciou a destinação de R$ 2,46 bilhões em um pacote de ajuda para os 645 municípios do Estado. O anúncio do programa de “parceria e cooperação” do governo foi feito no primeiro encontro dos prefeitos paulistas, que aconteceu nesta quinta-feira (14), no Memorial da América Latina. O evento é bem similar ao da presidente Dilma Rousseff, que, de olho na reeleição, cirou canal com prefeitos de todo o País para apresentar todos os programas e convênios do governo federal.

Royalties do petróleo: Alckmin diz que irá ao STF assim que nova lei for publicada

Leia também: De olho na reeleição, Dilma cria canal com prefeitos

Em seu discurso, Alckmin ressaltou os programas destinados a cidades de até 100 mil habitantes, anunciando a distribuição de caminhões, tratores e ambulâncias, reformas em postos de saúde e ajuda financeira para construção de estradas vicinais. Também fazem parte do pacote de ajuda anunciado um aumento na verba para a merenda escolar, ajuda na compra de terrenos para projetos das prefeituras, como creches e programas habitacionais e a criação do cartão do idoso, uma bolsa mensal no valor de R$ 100 para os maiores de 80 anos que não forem beneficiários com nenhum outro programa social.

Divulgação
Alckmin (PSDB) discursa em encontro com os prefeitos paulistas ao lado de Haddad (PT)

Embora o evento tenha assumido ares de campanha, o governador negou já estar de olho nas eleições de 2014, e declarou que o momento é de “trabalhar”. "Estamos no meio do mandato e os prefeitos estão começando seus mandatos. Agora é hora de trabalhar, somar esforços, independente de sigla partidária", disse o governador, que discursou ao lado do prefeito da capital, Fernando Haddad (PT). 

Recepção

Segundo o governo, cerca de 600 prefeitos confirmaram presença, e levaram consigo secretários, presidentes das câmaras municipais e assessores. Eles receberam pastas e kits com explicações dos programas do governo estadual, e podiam tirar suas dúvidas em stands de cada secretaria, muitas com o próprio secretário de prontidão.

Poder Online: PSB paulista prefere ficar com Alckmin em 2014

Leia também: Alckmin já cogita novo destino para pasta oferecida a Serra

Estrela do evento, Alckmin teve dificuldade para se deslocar pelo Memorial, e era a todo o momento requisitado para posar para fotos ao lado de prefeitos e outros aliados nos municípios.

Questionado sobre a inserção televisiva do PT exibida ontem à noite, na qual o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva diz que já estar na hora de o PT comandar o Estado de São Paulo, Alckmin voltou a negar que haja clima de campanha no PSDB paulista. “Quem é prejudicado com a antecipação eleitoral é o povo, porque você encurta o governo", declarou.

Leia tudo sobre: GovernoEstadoSão PauloGeraldo AlckminEleições 2014igsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas