Penas do mensalão serão aplicadas até 1º de julho, diz Barbosa

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

'As ordens de prisão devem ser expedidas antes desta data', afirmou o presidente do STF

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, afirmou nesta quinta-feira que até 1º de julho deverão ser executadas as condenações do processo do mensalão.

"As ordens de prisão devem ser expedidas antes desta data", disse Barbosa durante uma entrevista coletiva concedida a jornalistas que trabalham para veículos de imprensa estrangeiros. No entanto, o ministro, que também é o relator do caso, disse que será necessário cumprir as últimas etapas do processo.

Leia mais: Cinco ministros já concluíram acórdão do mensalão

Especial do iG: Veja as penas dos 25 condenados no julgamento do mensalão

Leia todas as notícias sobre a cobertura do julgamento no STF

Tomada em dezembro após 4 meses e meio de julgamento, a decisão do STF ainda não foi publicada. Após a publicação oficial, será aberto um prazo de 5 dias para que os réus recorram. Depois disso, o plenário terá de julgar os recursos. Não há previsão de quando isso ocorrerá, apesar de o presidente ter dito nesta quinta que tudo deverá estar resolvido até 1º de julho.

Relembre:

Mensalão: Decisão de Barbosa contra prisão imediata evita nova crise no STF

Novo bate-boca marca fim do julgamento do mensalão após mais de quatro meses

Julgamento do mensalão deixa herança para crimes de corrupção

As penas aplicadas pelo STF aos 25 condenados no processo do mensalão variam de 2 a 40 anos de prisão. O réu condenado à pena maior é o publicitário Marcos Valério. Barbosa disse que está confiante de que todos os recursos sejam apreciados ainda no primeiro semestre e que o processo seja encerrado definitivamente antes do recesso do meio do ano.

Na entrevista concedida aos jornalistas, Joaquim Barbosa disse que diante do desvio de R$ 100 milhões de verbas públicas as penas foram "baixíssimas". O ministro reconheceu que nenhuma das penas deverá ser cumprida na sua totalidade porque há diversos recursos judiciais que podem ser usados para reduzir o tempo de permanência dos réus na prisão.

Com Agência Estado e Agência Brasil

Leia tudo sobre: mensalãojulgamento do mensalãostfjoaquim barbosa

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas