Procuradoria denuncia Renan Calheiros por suspeita de usar notas frias

Por Luciana Lima - iG Brasília |

compartilhe

Tamanho do texto

Caso eclodiu em 2007, com a suspeita de que um lobista pagava despesas pessoais como a pensão de sua filha com Mônica Veloso; senador diz que denúncia é 'nitidamente política'

A Procuradoria-Geral da República denunciou o líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), pela suspeita de ter apresentado notas frias em resposta à acusação de que um lobista pagava por suas despesas pessoais. A denúncia foi apresentada na última sexta-feira ao relator do inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski. Se for aceita, Renan se tornará réu em uma ação criminal.

Estratégia: Renan quer distância dos holofotes até eleição no Senado

Leia também: Planalto faz avaliação 'positiva' sobre Renan e Henrique Alves

Renan é suspeito de usar notas frias para comprovar o pagamento de pensão alimentícia para o filho que teve com a jornalista Mônica Veloso. A pensão, na época em que as denúncias surgiram era de R$ 12 mil. A suspeita é de que esses repasses eram feitos mensalmente por um lobista da empreiteira Mendes Júnior. O caso, que corre sob segredo de Justiça, é o mesmo que levou o parlamentar a renunciar ao comando do Senado, em 2007.

AE
Caso é o mesmo que levou Renan a renunciar à presidência do Senado em 2007

Renan é hoje o favorito para assumir a presidência do Senado, na eleição marcada para o início de fevereiro. A indicação é parte do acordo com o PMDB, para assegurar a coesão da base aliada da presidenta Dilma Rousseff. 

Renan afirmou que a denúncia contra ele, além de suspeita, tem uma “natureza nitidamente política”, devido à proximidade da eleição da Presidência do Senado. Em nota divulgada pela sua assessoria, Renan lamentou a postura do procurador de não apresentar a denúncia durante todos esses cinco anos e apresentá-la às vésperas da eleição no Congresso.

"O inquérito é de agosto de 2007 e, apesar de se encontrar parado na Procuradoria da República desde fevereiro de 2011, a denúncia foi protocolada exatamente na sexta-feira anterior à eleição para a presidência do Senado Federal. Trata-se de atitude totalmente incompatível com o habitual cuidado do Ministério Público no exercício de suas nobres funções", diz a nota divulgada pela assessoria de Renan Calheiros.

A assessoria informou ainda que as investigações foram solicitadas pelo próprio Renan Calheiros ao Ministério Público e à receita federal e que o senador é o maior interessado na investigação. "Ele mesmo forneceu espontaneamente os documentos - todos verdadeiros -, além dos sigilos bancário, fiscal e telefônico. É o maior interessado nessa questão".

*Com informações da Agência Estado

Leia tudo sobre: Renan CalheirosCongresso Nacional

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas