STF tem 'monopólio da última palavra', diz Celso de Mello na sessão do mensalão

Sem citar o nome do presidente da Câmara, ministro dá seu recado dizendo que decisão da Corte sobre cassação de mandatos deve ser cumprida ou se cometerá crime

Agência Estado |

Agência Estado

Decano do Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro Celso de Mello defendeu o "monopólio da última palavra" em seu voto para que a Câmara dos Deputados apenas declare a perda de mandatos dos deputados condenados no processo do mensalão. Ele afirmou que eventual descumprimento da decisão poderia significar crime de prevaricação.

Mensalão: STF decide cassar mandato de condenados e abre crise com a Câmara

Poder Online: Marco Maia: ‘Não vou cumprir decisão que cassa mandatos’

Confira a cobertura completa do iG sobre o julgamento do mensalão

Agência Brasil
Celso de Mello desempata a questão e STF determina a cassação automática do mandato de três deputados

Sem citar o nome do presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), que tem defendido publicamente o direito da Casa de decidir sobre a perda de mandatos, Celso de Mello afirmou que "reações corporativas" não podem sustentar motivos para não se cumprir decisão judicial. "Reações corporativas ou de suscetibilidades partidárias associadas a um equivocado espírito de solidariedade não podem justificar afirmações politicamente irresponsáveis e juridicamente inaceitáveis de que não se cumprirá decisão do Supremo Tribunal Federal", disse.

"É preciso, pois, reafirmar a soberania da Constituição e, em particular, destacar a intervenção e a posição do Supremo Tribunal Federal, que detém em tema de interpretação constitucional e, por força de delegação da Assembleia Constituinte, o monopólio da última palavra", complementou. Citando um discurso proferido por Rui Barbosa em 1914, Celso de Mello destacou ser do STF o direito de "errar por último".

Leia mais: Resultado do mensalão deve ser publicado em 2013, diz ministra do STF

Mensalão: STF nega recurso do deputado João Paulo Cunha no processo

Afirmou que "qualquer autoridade pública que descumpra uma decisão emanada do Poder Judiciário" estaria sujeito a sanções penais e cíveis. Citou o artigo 319 do Código Penal, que trata de prevaricação, e o artigo da Constituição que trata de improbidade administrativa. "A insubordinação legislativa ou do Executivo ao cumprimento da decisão judicial - não importa se do Supremo Tribunal Federal ou de primeiro grau - revela comportamento intolerável, inaceitável e incompreensível", disse Celso de Mello.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG