‘'Não vou fazer toma lá dá cá’', diz Haddad

Prefeito eleito em São Paulo afirma que pressões por cargos não o afetam: 'A ansiedade, até chegar a mim, vai se diluindo'

Agência Estado |

Agência Estado

O prefeito eleito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), disse que não vai abrigar partidos no secretariado apenas para obter votos na Câmara Municipal. Ele afirmou esperar o apoio do PSD do prefeito Gilberto Kassab e do PSDB do governador Geraldo Alckmin , com quem conversou nesta terça-feira (30), e negou que vá ceder a pressões políticas. Questionado pelo jornal O Estado de S. Paulo se não seria necessário recorrer ao toma lá dá cá na política, foi taxativo: "A resposta é não. Não faço toma lá dá cá".

Veja o especial do iG sobre as eleições 2012

Prefeito de São Paulo:  'Vou contribuir com Haddad', diz Kassab

Futura Press
Prefeito eleito de São Paulo, Fernando Haddad diz que não abrigará partidos em secretarias apenas para obter votos na Câmara


Haddad garantiu que as pressões por cargos não o afetam. "A ansiedade, até chegar a mim, vai se diluindo", afirmou o petista. "Começa em alto-mar e, quando chega na praia, que é onde estou, chega rasa."

Para ele, o PT tem todo o direito de produzir uma nota em defesa dos réus do mensalão. "Não podemos simplesmente circunscrever os problemas do sistema político brasileiro a uma agremiação. Ou o PSDB não passou por problemas terríveis?", indagou o prefeito eleito, dizendo esperar que o Supremo Tribunal Federal julgue o "mensalão tucano".

Leia também:  Fernando Haddad se encontra com Lula em São Paulo

Saiba mais:  Partido de Kassab anuncia apoio a Haddad na Câmara de São Paulo

A cúpula do PT deve lançar manifesto nesta quinta-feira (1) em defesa dos réus do mensalão . Ao encerrar a entrevista, Haddad desabafou: "Será que eu vou ter de passar a vida toda respondendo sobre mensalão?"

Haddad disse que ainda não está tratando das alianças do governo. "Tenho um plano de governo que foi aprovado nas urnas e que a cidade quer ver se tornar realidade. Ele é meu guia para encaminhar projetos para a Câmara dos Vereadores.", argumentou.

Quanto ao seu adversário na eleição no segundo turno, José Serra (PSDB), Haddad frisou que nunca tiveram desavenças de caráter pessoal e não considera que ele esteja liquidado politicamente. "É um quadro importante do PSDB, uma pessoa que tem muito prestígio dentro do seu próprio partido." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo .

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG