Haddad diz que manterá estilo 'paz e amor' e não vai reagir a ataques de Serra

O petista criticou o tucano por não aceitar o debate apenas de propostas no segundo turno em São Paulo e diz que usará uma parte da campanha na TV para se defender

Agência Estado |

Agência Estado

Líder nas pesquisas, o candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad , disse neste sábado que vai evitar na reta final da campanha revidar eventuais críticas do adversário José Serra (PSDB). Questionado se adotaria o slogan usado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva - "Lulinha paz e amor" -, ele afirmou que jamais tomou a frente em agressões pessoais na campanha. "Estilo Haddad paz e amor sempre. Eu nunca entrei nesse clima de belicosidade. Quando eu tinha 3% (das intenções de voto) eu era o mesmo sujeito de hoje", disse Haddad, durante café da manhã no Sindicato dos Bares e Restaurantes, na região central da cidade.

Eleições 2012: Lula vai a dez comícios, só um na capital de São Paulo

Veja o especial do iG sobre as eleições 2012

Futura Press
Haddad participa neste sábado de café da manhã no Sindicato dos Bares e Restaurantes de São Paulo

A campanha petista, porém, reservou tempo no horário eleitoral e nas inserções de propaganda na TV para o que considera se defender da campanha adversária. Haddad alega que precisará se defender, já que o tucano não aceitou um acordo proposto por ele, segundo o qual ambos reservariam a reta final apenas para debater propostas.

Ibope:  Em São Paulo, Haddad tem 49% e Serra, 33%

Debate 2º turno:  Aliados incômodos pautam ataques entre Serra e Haddad

"Liguei para o pessoal do marketing recomendando que o tempo fosse cada vez mais dedicado a propostas. Obviamente que algum tempo para me defender tenho que ter. Não pode ficar sem resposta nenhuma, porque o eleitor começa a achar estranho: 'Você não se defende?'", disse Haddad. "Não posso antecipar a estratégia do meu adversário. Fiz um convite público e ele permanece."

Haddad argumentou que os eleitores poderiam se motivar a ir votar, caso os últimos debates públicos abordassem somente programas para a cidade.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG