Com apenas um prefeito eleito, PSOL se compara ao PT de 1982

Vitória em Itaocara (RJ) é vista pelo partido como feito similar à eleição em Diadema (SP), primeira cidade governada por petistas; socialistas elegem 49 vereadores

Nivaldo Souza - iG Brasília | - Atualizada às

A vitória do ex-cortador de cana Gelsimar Gonzaga (PSOL) em Itaocara, cidade do noroeste do Rio de Janeiro, já está sendo comparada dentro do partido criado pela ex-senadora Heloisa Helena, em 2006, à conquista de Diadema pelo PT em 1982. A cidade da Grande São Paulo foi a primeira governada pela então novata legenda do ex-presidente Lula . “Está surgindo um sol no horizonte”, diz o senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP).

Veja o especial do iG sobre as eleições 2012

Confira no iG a apuração completa de todas as cidades do País

AE
Um dos principais nomes do partido, Heloisa Helena decepcionou partido apesar de eleita


Diferentemente do PT, que precisou de três anos para vencer sua primeira eleição municipal, o PSOL atingiu o feito seis anos após sua fundação. Apesar da diferença de tempo, Rodrigues considera que seu partido “está se consolidando como uma alternativa de esquerda de massas” após saltar de 25 vereadores eleitos em 2008 para 49, em 2012 – sendo 26 em cidades com mais de 200 mil habitantes.

O melhor resultado em Câmaras Municipais ocorreu no Rio. Os 28% dos votos obtidos pelo candidato derrotado à prefeitura Marcelo Freixo ajudou o PSOL a passar de uma para quatro cadeiras. Em seguida está Natal. O partido socialista elegeu dois vereadores na capital potiguar por meio da coligação PSTU-PSOL, beneficiado pela votação expressiva da professora Amanda Gurgel - famosa após vídeo no YouTube.

Maceió: expectativa era maior

Apesar do crescimento, os socialistas viram Heloisa Helena obter menos votos que o esperado para a Câmara de Maceió. Ela conseguiu 29.516 votos, consagrando-se a mais votada da capital de Alagoas. Mas ficou distante dos quase 93 mil votos atingidos por ela na cidade em 2006, quando a então senadora terminou a disputa pela Presidência da República em terceiro lugar, com 6,5 milhões de votos.

O partido esperava mais em Maceió para compor uma bancada consistente. Apesar da frustração, os votos de Heloisa ajudaram Ricardo Barbosa a obter uma das 21 cadeiras da Câmara. Ele recebeu 453 votos e foi beneficiado pelo coeficiente partidário.

Agência Senado
Randolfe Rodrigues é cotado para disputar governo do Amapá em 2014

A mesma regra que ajudou Barbosa tirou da Câmara de Recife o presidente do partido em Pernambuco, Edílson Silva. Mesmo obtendo 13.661 votos – a terceira maior votação na cidade -, ele não atingiu o coeficiente mínimo para se tornar um dos 39 vereadores recifenses. A 39ª cadeira do Legislativo de Recife ficou para Eduardo Chera (PTN), cuja votação foi de 4.205.

Briga por capitais

O PSOL está no segundo turno em Belém e Macapá, após sofrer uma pesada derrota no Rio de Janeiro, que reelegeu Eduardo Paes (PMDB) com 65% dos votos no primeiro turno, contra 28% de Freixo.

O partido socialista vai desembarcar agora nas capitais do Pará e de Amapá com seus dois senadores (Randolfe Rodrigues e José Nery) e quatro deputados federais (Chico Alencar, Ivan Valente, Jean Wyllys e Luciana Genro) para tentar vencer PSDB e PDT, respectivamente.

A meta será concluir o sétimo ano de fundação do partido conquistando a principal cidade de pelo menos um Estado. A vitória reforçaria a campanha nacional em 2014, cuja expectativa é de que Heloisa Helena e Marina Silva unam forças em uma chapa única.

Reforçaria também o principal expoente nacional do partido hoje, o senador Randolfe Rodrigues. Nos bastidores já se comenta a disposição do PSOL de colocá-lo na briga pelo governo de Amapá, o que não é confirmado pelo senador. “Estou a serviço do partido, mas não posso dizer que vou concorrer”, diz.

    Leia tudo sobre: eleições2012psolheloisa helenarandolfe rodriguespt

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG