PT vai às lágrimas por Erundina e faz as contas por Maluf

Partido está muito perto de fechar oficialmente com o PP, legenda do ex-prefeito, que é uma espécie de antítese política da vice na chapa de Haddad; evento foi marcado pela emoção

Ricardo Galhardo - iG São Paulo | - Atualizada às

O ato que oficializou a escolha do nome de Luiza Erundina (PSB) como candidata a vice de Fernando Haddad (PT) na disputa pela Prefeitura de São Paulo foi marcado pela emoção. Haddad chorou, a mulher dele, Ana Estela, chorou, Erundina estava com os olhos marejados, muita gente na plateia também chorou. Minutos depois, no entanto, candidato e vice foram defrontados com a dura realidade do pragmatismo eleitoral ao terem que responder, em entrevista coletiva, sobre a possível presença de Paulo Maluf (PP), espécie de antítese política de Erundina, no palanque petista.

Leia mais: 'Ela vai poder ajudar', diz Marta sobre Erundina

Leia também: Erundina teve votação maior em áreas ricas em 2010

Depois de fechar a aliança com o PSB de Erundina nesta sexta-feira o PT está próximo de conseguir a adesão do PP de Maluf à candidatura de Haddad . O destino do PP, que também negocia com José Serra (PSDB), será anunciado segunda-feira em entrevista na casa de Maluf. O apoio a Haddad estaria praticamente certo depois que Maluf conseguiu emplacar um aliado na Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental do Ministério das Cidades

Apesar das divergências ideológicas, o PT está de olho no 1 minuto e 35 segundos do PP que dariam a Haddad vantagem de um minuto sobre Serra no horário eleitoral da TV.

Haddad tentou se esquivar das perguntas sobre a presença de Maluf em seu palanque, mas, diante da insistência dos jornalistas, respondeu: “Estou fazendo uma aliança com o Partido Progressista. Isso inclui o ministro das Cidades (Aguinaldo Ribeiro, um dos artífices da aliança), que foi quem primeiro me procurou. O meu desejo é estar com todos os partidos da base de sustentação do governo Dilma. Sem exceção”.

Erundina também tentou se esquivar, disse que a escolha do arco de alianças não cabe ao vice, lembrou que derrotou Maluf na eleição para a prefeitura em 1988 e, por fim, afirmou que as alianças dependem do comprometimento dos partidos com o projeto político. “Queremos aliados e apoios desde que conheçam o nosso projeto e se comprometam com nosso projeto”, disse ela.

CLAYTON DE SOUZA/AGÊNCIA ESTADO
O pré-candidato do PT, Fernando Haddad, terá a ex-prefeita Luiza Erundina, do PSB, como vice em sua chapa: evento foi marcado por emoção da militância

Além de garantir a primeira coligação para Haddad, o anúncio do nome de Erundina é visto no PT como um incentivo para a mais para empolgar a militância. Embora tenha trocado o PT pelo PSB há 15 anos, a ex-prefeita ainda é idolatrada pela base petista por representar valores presentes na origem do partido como a ética na política e o foco na população mais pobre. Ela falou sobre isso no discurso. “Mudei para outra casa na mesma rua. Nunca mudei de lado”.

Já Maluf é visto pela base do PT como o avesso de Erundina por ser alvo de denúncias de corrupção, personificar a direita paulistana e ter colaborado com a ditadura militar.

Uma das frases mais ouvidas no ato desta sexta-feira foi “isso aqui está parecendo os eventos do PT de antigamente”. Erundina foi objeto de largos elogios de todos os oradores. Haddad a chamou de “a rainha do dia”.

O clima de forte emoção levou a ex-prefeita a escrever um discurso, por medo de não conseguir conter a emoção durante sua fala. “Fica feio chorar na frente de tanta gente”, disse Erundina, que passou todo o ato com os olhos marejados.

Enquanto isso, a ex-prefeita falava Ana Estela, mulher de Haddad, chorava copiosamente na mesa de autoridades. Vários militantes também precisaram enxugar as lágrimas durante o discurso de Erundina.

Haddad ficou com a voz embargada e precisou interromper o discurso ao dizer que a fala de Erundina foi o segundo momento mais emocionante de sua carreira política, atrás apenas do dia em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a presidenta Dilma Rousseff lhe confiaram a missão de representar o PT nas eleições paulistanas.

Um dos momentos mais emocionantes foi quando Erundina se colocou à disposição da campanha. “Estaremos juntos fazendo o que você (Haddad) disser que preciso fazer. Você é o primeiro e eu sou a segunda”, disse ela.

Segundo o presidente nacional do PT, Rui Falcão, uma possível coligação com o PP de Maluf não vai ofuscar a chegada de Erundina. “A militância do PT já estava empolgada e agora está mais ainda com a chegada de novos aliados”, disse ele.

Na coletiva, Erundina disse que vai chamar a senadora Marta Suplicy (PT-SP) para uma conversa com o objetivo de convencê-la a se engajar de uma vez por todas na campanha de Haddad.

    Leia tudo sobre: eleições2012eleições2012sãopauloPTPSBluiza erundinafernando haddadlulapaulo malufPP

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG