Mansões de PC Farias viram pontos turísticos em Alagoas

Casa onde o ex-tesoureiro de Collor foi achado morto é habitada atualmente pelos filhos dele, Paulinho e Ingrid

Ricardo Galhardo, enviado a Maceió |

Apesar do cenário paradisíaco composto por ondas esverdeadas que terminam numa areia fina e dourada margeada por coqueiros, muitos turistas que frequentam a praia de Guaxuma, em Maceió, preferem dar as costas para o mar e posar para fotografias ao lado do muro branco de uma das casas de alto padrão do local.

Vinte anos depois: Collor continua forte com apoio de ex-algozes

Veja especial do iG sobre os 20 anos do impeachment de Collor

Agência Estado
Fachada da casa onde PC Farias e sua namorada Suzana Marcolino foram mortos. Hoje os dois fihos dele moram no imóvel

Análise: Collor ensinou ao Brasil tudo o que não deve ser feito no poder

Foi ali que o empresário Paulo César Farias, o PC, ex-tesoureiro de campanha de Fernando Collor de Mello foi encontrado morto ao lado da namorada Suzana Marcolino em junho de 1996. Desde então o local se tornou ponto de visitação, uma espécie de monumento à corrupção e banditismo que marcaram uma era da política nacional.

Segundo moradores do local, muitos turistas chegam a tocar a campainha em busca de informações, perguntam sobre as razões do assassinato de PC (crime passional ou político?) e sobre a vida dos filhos do empresário, que hoje residem no local.

iG entrevista: 'Não sei se tenho gás para política. É perigoso', diz Thereza Collor

“As pessoas querem saber de tudo. Se o PC foi morto pela Suzana ou se os dois foram assassinados por alguém. Tem gente que já chega com histórias prontas, acusando este ou aquele parente ou amigo. Não deixam os meninos em paz”, disse o jardineiro aposentado José Manoel da Silva, 65 anos, que mora a 300 metros do local.

AE
Tesoureiro da campanha de Collor foi pivô do escândalo que culminou no impeachment
Atualmente a casa é habitada pelos filhos de PC, Paulinho e Ingrid, e pelo marido e filho dela. Eles costumam ser reservados, aparecem raramente para banhos de mar, entram e saem pelo portão principal em carros blindados, acompanhados de motoristas e seguranças. Raramente saem para um banho de mar, geralmente acompanhados pelo filho de Ingrid.

Morcego Negro: Piloto da campanha de Collor vira chef de badalado restaurante

Linha do Tempo: Veja os fatos mais marcantes da queda do ex-presidente

Para os moradores mais antigos de Guaxuma, a imagem de PC é bem diferente daquela que ficou para o resto do país. “Ele era um homem que veio de baixo e enricou sabe-se lá como. Mas manteve a humildade. Pagava bem e tratava com jeito os funcionários. Aqui todo mundo gostava dele”, lembrou o jardineiro.

Quando os filhos de PC decidiram trocar o centro de Maceió pela praia, a casa branca avarandada de frente para o mar foi toda reformada. Ganhou jardinagem, edícula e churrasqueira. A segurança foi reforçada e, acima do portão principal, uma câmera registra todos os movimentos da rua.

Alguns quilômetros dali, na praia de Cruz das Almas, outra casa chama a atenção pela imponência. Mais de 200 metros de muros de pedra com cinco metros de altura protegem a mansão situada no alto de um morro e construída por PC no auge do poder da vista dos curiosos.

Ricardo Galhardo/iG
Outra mansão de PC fica na praia de Cruz das Almas e até pouco tempo era usada para baladas disputadas

Até o ano passado o local foi usado como espaço para festas e eventos como o nome Mansão Farias. Enquanto esteve aberta, a mansão abrigou as baladas mais disputadas da capital alagoana, geralmente sob o comando de Paulinho.

“Ele adorava ser o dono da balada. Vivia rodeado de meninas e amigos”, disse um taxista vizinho da mansão.

Rosane: Ex-primeira-dama vira evangélica e, aos 47, decide trabalhar

Hoje, com a grama alta e as paredes brancas manchadas de mofo, serve de escritório para uma distribuidora de combustível.

Assim como a casa de Guaxuma, a mansão de Cruz das Almas é objeto de lendas e mistérios. “Muita gente vem aqui atrás do dinheiro que o PC teria escondido antes de morrer”, disse o vizinho. Uma das lendas mais recorrentes é que o ex-tesoureiro teria escondido uma fortuna em barras de ouro nos altos muros da mansão.

Um dos seguranças do local ri da história. “Se isso fosse verdade, não teria sobrado uma pedra destes muros até que o ouro fosse encontrado”.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG