Após obter em 2017 os melhores resultados da corporação, PMA começou o ano com ações de sucesso na zona leste de São Paulo e no ABC Paulista

Polícia Militar Ambiental fechou mais duas fábricas de balões: uma na zona leste e outra em Santo André (ABC)
Divulgação/Polícia Militar Ambiental
Polícia Militar Ambiental fechou mais duas fábricas de balões: uma na zona leste e outra em Santo André (ABC)

A Polícia Militar Ambiental de São Paulo segue sem dar sossego para os adeptos da criminosa prática de soltura de balões na região metropolitana da capital paulista. Se em 2017 os policiais comandados pelo Coronel Alberto Sardilli alcançaram os melhores resultados da história da corporação , este ano também já começou com forte atuação das equipes em todo o estado. 

Somente nessa sexta-feira (19), duas fábricas clandestinas de balões foram localizadas e fechadas pela Polícia Militar Ambiental na zona leste de São Paulo e também em Santo André, no ABC Paulista.

Na primeira ocorrência, a equipe do Primeiro Pelotão da 2ª Companhia do Primeiro Batalhão da PMA identificou uma casa utilizada para a confecção de balões na Rua Egídio Alves da Costa, no bairro do Sapopemba. Foram encontrados e apreendidos no local dois balões já prontos para soltura, além de uma bancada de vidro com quatro metros de comprimento, tochas, folhas de seda e diversos outros materiais utilizados na fabricação dos artigos.

O local foi preservado para a perícia solicitada pelo delegado do 70º Distrito Policial (Sapopemba). O infrator responsável pelos materiais foi autuado e deverá receber multa pela prática criminosa – que representa riscos para a aviação civil, o meio ambiente, construções e até mesmo o trânsito de veículos no estado.

Leia também: Polícia Militar Ambiental atua para proteger o espaço aéreo da ameaça de balões

Já no ABC Paulista, os policiais a bordo de viatura do Segundo Pelotão da 2ª Companhia do Primeiro Batalhão da PMA fecharam oficina que armazenava cerca de 5 mil folhas de seda, bocas de balão, ferramentas de corte e barbantes, entre outros materiais.

Assim como na ocorrência na zona leste paulistana, também foi pedida perícia no endereço e os proprietários da fábrica clandestina serão autuados. O caso foi apresentado à Delegacia de Investigação de Crimes contra o Meio Ambiente de Santo André (Dicma).

Leia também: Polícia Militar Ambiental: o "190" da Natureza

Confira abaixo imagens das fábricas fechadas pela Polícia Militar Ambiental:



    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.