Papa condena atentados contra igrejas durante o Natal na Nigéria

Bento 16 classificou os ataques atribuídos a grupo islâmico radical como 'um gesto absurdo', enquanto governo inicia investigação

iG São Paulo |

O papa Bento 16 expressou "profunda tristeza" nesta segunda-feira pelos atentados cometidos contra igrejas na Nigéria no fim de semana de Natal, que deixaram mais de 30 mortos.

Leia também: Ataques a igrejas durante missa de Natal causam mortes na Nigéria

Reuters
Carros destruídos por bomba que explodiu em frente a igreja e causou dezenas de mortes na Nigéria (25/12)

Bento 16 classificou como "gesto absurdo" os atentados e pediu para que todos "rezassem pelas inúmeras vítimas" durante a oração dos angelos, pronunciada pelo líder da Igreja Católica da janela do palácio apostólico.

Além do papa, representantes da França, do Reino Unido, da Alemanha e dos EUA condenaram os ataques atribuídos ao grupo islâmico Boko Haram.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, pediu o fim da violência na Nigéria, que é o país mais populoso da África, com 160 milhões de habitantes divididos igualmente entre muçulmanos, majoritários no norte, e cristãos, mais numerosos no sul,

A seita islâmica Boko Haram, que quer impor a sharia no país mais populoso da África, assumiu a responsabilidade pelos três ataques a bomba nas igrejas, o segundo Natal consecutivo que causa derramamento de sangue em templos cristãos.

O presidente, Goodluck Jonathan, condenou a violência e prometeu que tudo será feito para que os culpados sejam julgados. Mas, até o momento, as autoridades não conseguiram impedir que a seita multiplicasse seus ataques, cada vez mais frequentes e mortais.

Embora as autoridades acusam o Boko Haram, um porta-voz da polícia afirmou nesta segunda-feira que a investigação sobre o bombardeio Madalla não exclui outras pistas.

"Nós estamos olhando para além do Boko Haram, pois outros indivíduos, que desejam desestabilizar o governo, poderiam agir em nome do Boko Haram", disse Richard Oguchi.

Críticas

Um ex-governante militar fez duras críticas ao governo após os ataques do fim de semana. Muhammadu Buhari, que perdeu a última eleição presidencial em abril para o presidente Goodluck Jonathan, disse em um comunicado publicado em um jornal nigeriano que a resposta do governo às bombas foi lenta e indiferente.

"Como é possível que o Vaticano e as autoridades britânicas tenham falado sobre os ataques dentro da Nigéria que provocaram as mortes de nossos cidadãos antes mesmo do governo nigeriano?", disse Buhari no comunicado.

"Essa é uma falha clara de liderança, em um momento em que o governo precisa dar ao povo prova de sua capacidade de garantir a segurança de vidas e propriedades", disse Buhari.

Ele disse que o governo precisava fazer mais do que gastar em segurança para lidar com o problema.

Jonathan, um cristão do sul que vem tentando conter a ameaça da militância islâmica, descreveu os ataques como "infelizes", mas disse que a Boko Haram não "estará aqui para sempre". "Vai acabar um dia", afirmou.

Nesta segunda-feira, Bento 16 condenou os ataques como um "gesto absurdo" e orou para que "as mãos dos violentos sejam paradas". O papa, falando de sua janela acima da Praça de São Pedro, em Roma, disse que tal violência trazia apenas dor, destruição e morte.

Ataques Coordenados

Os ataques, que aconteceram alguns dias depois de confrontos entre as forças de segurança e a Boko Haram, que mataram pelo menos 68 pessoas, deram provas de uma coordenação crescente e de estratégia do grupo, o que pode fazer soar o alarme na Nigéria e nas capitais ocidentais.

A igreja católica Santa Teresa, em Madala, uma cidade-satélite a cerca de 40 km do centro da capital do país, Abuja, estava lotada quando a primeira bomba explodiu em frente do prédio, logo depois da missa de Natal.

Algumas horas depois, explosões foram registradas na igreja dos Milagres e na Montanha de Fogo, na cidade de Jos, no centro do país, e em uma igreja em Gadaka, no estado de Yobe, no norte. Os moradores disseram que havia muitos feridos em Gadaka.

Um homem-bomba matou quatro agentes do Serviço de Segurança do Estado em um dos outros ataques na cidade de Damaturu, no nordeste, disse a polícia. Os moradores escutaram duas grandes explosões e tiros na cidade.

A Boko Haram - que na língua Hausa falada no norte da Nigéria significa "educação ocidental é pecaminosa" - é baseada no movimento Taleban do Afeganistão. Sua insurgência costumava ficar confinada ao nordeste da Nigéria, mas atingiu várias partes do norte, centro e de Abuja este ano.

Com AP, AFP e Reuters

    Leia tudo sobre: nigériaatentadoataqueigrejanatalataque na nigériaexplosão

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG