Dono de prédio que desabou em Bangladesh representa império do crime

Por NYT |

compartilhe

Tamanho do texto

Sohel Rana foi preso após desabamento de prédio que abrigava fábricas deixando mais de 500 mortos, mas até o momento era uma figura poderosa protegido por guardas armados

NYT

Próximo da capital de Bangladesh, o subúrbio de Savar é um centro industrial caótico repleto de fábricas que produzem roupas para marcas ocidentais. Os códigos de construção são muitas vezes ignorados, a supervisão regulatória é fraca, e os poderosos muitas vezes são acompanhados por guardas armados.

Leia mais: Número de mortos em desabamento de prédio em Bangladesh passa de 500

AP
Mohammed Sohel Rana é o proprietário de um edifício que abrigava fábricas têxteis em Bangladesh

1º de Maio: Após desabamento de fábrica, trabalhadores protestam em Bangladesh

Bangladesh: Garota que ficou sob escombros por 4 dias 'esperava a morte'

E talvez ninguém exercesse este tipo de poder mais descaradamente do que Sohel Rana. Ele andava de motocicleta, seguido por sua própria gangue de motoqueiros. Autoridades locais e da mídia de Bangladesh disseram que que ele estava envolvido com o tráfico de drogas e de armas ilegais, mas também era dono de um edifício, o Rana Plaza, que abrigava cinco fábricas.

Agora Rana, 35 anos, está preso. Ele é o homem atualmente mais odiado em Bangladesh por causa do desabamento do Rana Plaza na semana passada, que deixou mais de 500 mortos, com muitas outros ainda desaparecidos.

Saiba mais: Advogados e público pedem enforcamento de dono de prédio em Bangladesh

Rana: Dono da fábrica que desabou em Bangladesh é preso tentando fugir

Para construir o Rana Plaza, Rana e seu pai intimidaram proprietários de terras adjacentes, segundo alguns donos das terras, e tomaram propriedades à força. Seus aliados políticos deram a eles uma licença de construção apesar de alegações duvidosas de serem donos da terra, e receberam uma segunda autorização posterior para adicionar andares superiores que poderia ter desestabilizado o edifício.

"O dinheiro é seu poder", disse Ashraf Uddin Khan, ex-prefeito de Savar, que acusou Rana de estar profundamente envolvido no tráfico de drogas. "O dinheiro ilegal."

Rana aparentemente ganhava influência. Então, no dia 23 de abril, os trabalhadores do terceiro andar foram surpreendidos por um barulho que parecia uma explosão. As fissuras tinham aparecido no edifício.

Negligência: Fábricas ignoraram alerta de risco um dia antes de desabamento

No final da manhã, os representantes de Rana haviam chamado Abdur Razzaque Khan, um engenheiro. Quando levado para o terceiro andar, Khan examinou três pilares de sustentação e ficou horrorizado.

Ele desceu as escadas e disse a um dos administradores de Rana que o prédio precisava ser fechado. Mas Rana, aparentemente, não ficou impressionado. Ele estava participando de um julgamento que contava com a cobertura de mais de dez jornalistas locais.

Na manhã seguinte, o Rana Plaza desabou. Rana conseguiu escapar de seu escritório no porão, mas acabou sendo encontrado perto da fronteira com a Índia.

Tanto Rana quanto um de seus representantes estavam disponíveis para comentar o assunto. Ele já disse que foram os donos da fábrica que insistiram na abertura da fábrica no dia do colapso, e o pai de Rana e vários dos proprietários foram presos.

Mesmo agora, muitas pessoas em Savar continuam acreditando que que Rana não será punido.

"Rana não é o único", disse Rabindranath Sarkar, acrescentando que a família de Rana tinha enviado bandidos para apreender parte do terreno que ele havia comprado com o pai de Rana. "Agora, temos tantos Ranas soltos por aí".

Por Jim Yardley

Leia tudo sobre: bangladeshdesabamentorana plazaranamortos

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas