Para soldados americanos que buscam Kony, selva representa novos desafios

Árvores que bloqueiam luz do sol, rios lamacentos e crocodilos são alguns obstáculos enfrentados por militares que estão atrás do criminoso de guerra na África

The New York Times |

Trata-se, com certeza, de uma das mais estranhas combinações na história militar dos Estados Unidos. Uma centena de soldados das Operações Especiais dos EUA auxiliados por óculos de visão noturna e imagens feitas por satélites, estão ajudando soldados africanos a encontrar o comandante rebelde Joseph Kony , que está foragido na selva há anos com um grupo de crianças soldados e um harém formado por dezenas de mulheres.

iG explica: Saiba mais sobre Joseph Kony e o Exército de Resistência do Senhor

AP
Militar americano conversa com tropas da República Centro-Africana em Obo sobre missão de busca a Kony
Ninguém sabe exatamente onde Kony está, mas na região de Obo, em um posto de operação remota na região da República Centro-Africana, os soldados americanos vasculham mapas e entrevistam moradores dos vilarejos em busca de pistas.

Segundo eles, seu maior desafio é o território de Kony, uma área do tamanho da Califórnia localizada no meio da África, que é tão fechada por selva que torna boa parte dos equipamentos americanos inutilizáveis.

São árvores gigantescas que bloqueiam a luz do sol, quilômetros após quilômetros de grama alta e rios lamacentos infestados com crocodilos - recentemente um soldado de Uganda foi comido por um desses animais selvagens.

"Essa não vai ser uma missão fácil", disse Ken Wright, um capitão o grupo especial Seal da Marinha americana e comandante da unidade americana que está auxiliando na caça a Kony.

Ainda assim, desde que chegaram, os americanos disseram ter percebido que o Exército de Kony, que possui cerca de 300 combatentes, mostrou sinais de estar enfraquecendo. Kony já não é capaz de administrar os massacres que realizava há apenas alguns anos, quando seus combatentes atacavam cidades e matavam centenas de pessoas.

Além disso, seus aliados estão se dividindo em grupos pequenos, desesperados, de acordo com as autoridades americanas, e pela primeira vez estão abandonando muitas das mulheres e crianças que haviam sequestrado e que não conseguem acompanhar o ritmo de sua fuga para dentro da selva.

Combate

Os soldados americanos enfatizaram que não têm interesse em participar de qualquer tipo de combate.

No entanto, nenhum outro projeto militar dos EUA na África subsaariana tem gerado tanta atenção - e expectativas - quanto a busca por Kony, em parte graças a um vídeo publicado na internet chamado “Kony 2012" , que teve dezenas de milhões de acessos no YouTube em questão de dias.

Segundo uma autoridade americana, “essa busca acabará de uma única maneira e será com Kony tomando um tiro nas costas enquanto tenta fugir para as profundezas da floresta.”

*Por Jeffrey Gettleman

    Leia tudo sobre: ugandakony 2012euainvisible childrenonginternetguerrilhaáfrica

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG