Morre espião soviético que salvou Stalin, Roosevelt e Churchill

Gevork Vartanian conseguiu abortar um plano nazista contra os dirigentes aliados que se reuniam no Irã em novembro de 1943

EFE |

EFE
Foto de arquivo de 2010 mostra o legendário agente do serviço secreto soviético Ghevork Vartanian em Moscou
O lendário espião soviético Gevork Vartanian, que salvou a vida dos líderes aliados durante a Segunda Guerra Mundial (1939 - 1945), morreu aos 87 anos de idade, informou nesta quarta-feira o Serviço de Espionagem Exterior da Rússia.

Pós-guerra: Nazista era espião para a Alemanha na América Latina
Australiana: Morre heroína da Segunda Guerra Mundial

Vartanian, que faleceu na última terça-feira em Moscou, conseguiu abortar um plano nazista contra os dirigentes aliados em novembro de 1943: o soviético Josef Stalin (1922-1953), o americano Franklin Roosevelt (1933-1945) e o britânico Winston Churchill (1940-1945 e 1951-1955), os quais se encontravam em Teerã.

Aparentemente, o espião foi capaz de interceptar a comunicação de rádio entre Berlim e os seis paraquedistas alemães que foram lançados no Irã com o objetivo de assassinar os líderes que se reuniam pela primeira vez para coordenar sua estratégia contra Adolf Hitler (1934-1945), reunião conhecida como Eureka.

Saiba mais: Espião e revelação de código secreto garantiram sucesso do Dia D

"Lendário espião, autêntico patriota, personalidade brilhante e pouco corrente. Participou de operações que passaram para a história da espionagem exterior nacional", afirmou Dmitri Medvedev, presidente russo, em telegrama de condolência.

Segundo as agências locais, apesar de ter se aposentado do serviço de inteligência em 1992, Vartanian seguiu vinculado com a espionagem assessorando as agências de inteligência russas, aconselhando agentes mais jovens e articulando conferências.

Vartanian, de origem iraniana, começou a trabalhar nos serviços de inteligência aos 16 anos em Teerã, onde descobriu cerca de 400 espiões que trabalhavam para o regime nazista. Após ser transferido para Londres, o espião recrutou muitos agentes para a URSS.

O espião soviético, que recebeu o título de Herói da União Soviética, trabalhou durante mais de três décadas na Guerra Fria (1947-1991) em diferentes lugares do mundo e retornou a Moscou somente em 1986.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG