Donald Trump anuncia apoio a Mitt Romney

Depois de fazer mistério sobre seu apoio, o magnata decidiu endossar candidatura de ex-governador de Massachusetts

iG São Paulo |

O empresário bilionário Donald Trump anunciou nesta quinta-feira seu apoio ao pré-candidato Mitt Romney para a disputa que decidirá qual republicano vai concorrer à presidência dos Estados Unidos contra Barack Obama.

Leia também: Romney enfrenta críticas após comentário sobre pobres

AP
Donald Trump cumprimenta Mitt Romney em coletiva concedida em Las Vegas

Trump, que diversas vezes flertou com a possibilidade de lançar uma candidatura própria à Casa Branca , revelou sua decisão em Las Vegas dois dias antes do caucus de Nevada, no sábado. Não ficou claro se a decisão de Trump terá qualquer impacto na corrida republicana. Uma pesquisa revelada pela Pew Survey no mês passado revelou que 64% dos eleitores não se influenciariam por um apoio de uma celebridade.

Com o candidato na plateia, Trump declarou que Romney, que ele chegou a criticar no passado, "não vai permitir que coisas ruins continuem a acontecer nesse país que amamos".

Romney disse que estava feliz pelo apoio, mas pareceu quase confuso com o drama de Trump. "Há coisas que você não consegue imaginar que vão acontecer. Essa é uma delas", disse Romney sorrindo.

"Mitt é durão, é inteligente, afiado e não vai permitir que coisas ruins aconteçam com esse país que amamos", disse. Ele apertou com vontade a mão de Romney e disse. "Vá pegá-los. Você pode fazer isso."

Trump tem exercido um papel importante na corrida presidencial desde o ano passado, quando ele cogitou buscar espaço no Partido Republicano para lançar-se candidato. Suas críticas contundentes a Obama e suas advertências ferozes à uma nação em declínio encontraram partidários entre o movimento Tea Party .

Obama chegou a criticar Trump e o qualificou como "carnavalesco" por trazer à tona boatos falsos de que o presidente não teria nascido nos Estados Unidos, forçando-o a divulgar sua certidão de nascimento .

Trump, um magnata e apresentador de programa de TV, é conhecido por ser imprevísivel e espetacularizou seu anúncio de apoio durante todo dias. Em entrevista a ABC dada na segunda-feira, ele disse que ainda estava indeciso entre Romney e Newt Gingrich.

"Eu gosto dos dois", disse Trump. "Os dois querem meu apoio. Vamos ver o que acontece, mas em pouco tempo eu vou anunciar (meu apoio)."

Em entervistas concedidas no passado, ele chegou a sugerir que não era um entusiasta da candidatura de Romney e desmereceu o ex-governador de Massachusetts, qualificando-o como um "pequeno homem de negócios".

Apesar disso, ele acabou confirmando seu apoio na tarde desta quinta-feira e disse que chegou à sua decisão depois de conhecer Romney em diversos encontros realizados nos últimos meses.

O apoio de Trump ocorre em meio a críticas recebidas pelo pré-candidato devido a uma declaração dada em entrevista à rede CNN na quarta-feira, após a vitória na primária da Flórida . Ao responder sobre sua estratégia de campanha, Romney disse que ele "não estava preocupada com os muito pobres".

"Não estou preocupado com os muitos pobres, aí temos uma rede de segurança. Se ela precisa de reparos, eu vou consertá-la", afirmou. "Você pode escolher onde focar, pode focar nos ricos - esse não é o meu foco; você pode focar nos muito pobres - esse não é o meu foco; meu foco são os norte-americanos de renda média, os aposentados que vivem da Previdência, pessoas que não conseguem encontrar trabalho."

Romney, que é dono de uma fortuna de US$ 270 milhões, afirmou em seguida que seus comentários foram tirados do contexto e que sua intenção era dizer que voltaria sua energia para ajudar os americanos de classe média.

Em resposta às declarações de seu provável adversário, Obama pediu nesta quinta-feira que, "pelo amor de Deus", os ricos se preocupem com os pobres.

Em pronunciamento durante um café da manhã nacional de oração, o presidente citou uma epístola de São João, que ganhou um significado especial depois que Romney cometeu a gafe, criticada por republicanos e democratas. "São João nos disse: 'se alguém que possui os bens terrenos, e que, vendo seu irmão em necessidade, não tem piedade dele, como pode o amor de Deus estar em seu interior?'", disse Obama nesta quinta.

Em termos mais gerais, Obama mencionou o importante papel que a religião exerce em suas tendências políticas. "Quando digo que as instituições financeiras devem respeitar as mesmas regras que os americanos comuns, quando digo que as companhias de seguros não devem discriminar os doentes (...) é porque acredito no mandamento de Deus que ordena amar o próximo como a si mesmo", declarou.

"Como cristão, para mim, isto coincide com os ensinamentos de Jesus segundo os quais a quem muito se dá, muito se pedirá", acrescentou o presidente americano.

Com AP e AFP

    Leia tudo sobre: eleição nos euadonald trumptrumpromneygingrichobama

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG