Diplomata sênior da Venezuela é expulsa dos EUA

Segundo documentário, diplomata teria discutido ataques contra o sistema de informática do governo norte-americano

BBC Brasil |

selo

A consulesa-geral da Venezuela em Miami foi declarada persona non grata pelo governo dos Estados Unidos e terá de deixar o país até terça-feira, confirmaram fontes do Departamento de Estado americano à BBC Mundo.

Leia também: Chávez especula se EUA causam câncer em líderes latinos

AFP
Departamento de Estado americano confirmou que Livia Acosta Noguera tem três dias para deixar os EUA
As autoridades americanas não explicitaram os detalhes que levaram à expulsão da diplomata Livia Acosta Noguera (ainda que tenham afirmado que a decisão foi informada à Embaixada da Venezuela na última sexta-feira).

Mas Acosta supostamente discutiu possíveis ciberataques contra os EUA enquanto estava baseada na Embaixada Venezuelana no México, em 2008. Segundo a agência Associated Press, os comentários estão sendo investigados pelo FBI.

Quatro congressistas norte-americanos já haviam escrito à secretária de Estado Hillary Clinton levantando preocupações quando à diplomata venezuelana.

A carta dizia que, segundo um documentário exibido no mês passado pela rede hispânica Univisión, Acosta discutiu ataques contra o sistema de informática do governo norte-americano com diplomatas do Irã e de Cuba, em período em que ocupava o posto de vice-secretária da embaixada venezuelana no México.

Os congressistas norte-americanos pediram que o Departamento de Estado averiguasse as acusações e, caso estas fossem verdadeiras, "declarasse (Acosta) uma persona non grata".
Até a tarde deste domingo, o presidente venezuelano Hugo Chávez não havia comentado a decisão dos EUA, país que é alvo constante de suas críticas.

Questionado pela BBC Mundo, o diretor de imprensa da Chancelaria venezuelana, Edgar Ladrón, afirmou que ainda não há uma "reação oficial" ao episódio.

Documentário polêmico

O documentário exibido em dezembro pela emissora Univisión afirmava que diplomatas venezuelanos e iranianos haviam demonstrado interesse na oferta de um grupo hacker mexicano para se infiltrar na rede de informática da Casa Branca, do Pentágono e do FBI.

Na ocasião, o governo venezuelano disse que o conteúdo do documentário era "mentiroso".
A expulsão da consulesa de Miami ocorre pouco antes que outro crítico dos EUA, o presidente iraniano Mahmoud Ahmadinejad, chegue a Caracas para uma visita de Estado, neste domingo.

    Leia tudo sobre: venezuelaeuadiplomacia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG