Chávez está bem após cirurgia, diz Venezuela

Vice-presidente Elías Jaua confirmou 'total extração' da lesão pélvica em operação realizada em Cuba

iG São Paulo |

O governo venezuelano confirmou que o presidente Hugo Chávez foi submetido a uma nova cirurgia em Cuba e passa bem. O vice-presidente Elías Jaua afirmou nesta terça-feira que Chávez foi submetido a uma cirurgia para retirada de uma lesão na mesma região da qual foi extraído um tumor cancerígeno no ano passado.

AP
Venezuelana lê jornal que traz tema de cirurgia de Chávez na capa (22/2)
Em discurso na Assembleia Nacional, Jaua disse que o mandatário passa bem e encontra-se em “boa condição física” depois da operação. “A intervenção cirúrgica foi feita conforme o previsto, obtendo-se um resultado satisfatório e um plano programado para sua recuperação física. O comandante se encontra em boa condição física”, assegurou o vice-presidente venezuelano ao confirmar a "total extração" da lesão pélvica.

Mistério: Visto como segredo de Estado, câncer de Chávez mergulha Venezuela em incerteza

Segundo o vice-presidente, foi realizada a extração total da lesão pélvica diagnosticada, “extirpando o tecido entorno da lesão”. “Não houve complicações relacionadas com órgãos locais, o pós-operatório imediato foi estável e sem complicações sistêmicas”, disse Jaua, segundo o jornal venezuelano El Universal. Segundo ele, nas próximas horas os exames histológicos determinarão o ideal para a lesão.

'Um a dois anos de vida'

Médicos russos e cubanos que atenderam o presidente venezuelano, Hugo Chávez, em junho deram-lhe entre um e dois anos de vida , informam nesta terça-feira os jornais espanhóis Público e El País citando documentos revelados pelo WikiLeaks .

O site de vazamentos teve acesso a milhares de e-mails da Stratfor Global Intelligence, uma empresa americana privada de segurança. Chávez está em Cuba desde sexta-feira, onde passou pela nova cirurgia.

Segundo o jornalista de oposição venezuelano Nelson Bocaranda, a cirurgia foi exploratória e Chávez, de 57 anos, está no hospital Cimeq, em Havana. Uma fonte médica próxima à equipe que trata o presidente da Venezuela afirmou que o procedimento demorou 90 minutos.

Em uma mensagem de 5 de dezembro enviada por George Friedman, fundador da Stratfor, a diretora de análise da empresa de inteligência, Reva Bhalla, revela as críticas da equipe médica russa sobre o primeiro tratamento de Chávez em junho de 2011, quando foi operado de um abscesso pélvico em Havana.

As informações partiram de uma fonte que trabalha com Israel. Os médicos russos disseram que os cubanos não têm equipamentos apropriados para tratar Chávez, acusando-os de terem feito uma "cirurgia incorreta" da primeira vez para tentar extrair o tumor, segundo o periódico espanhol.

Poucos dias depois, essa equipe russa foi encarregada de fazer a segunda intervenção de "limpeza" na região pélvica, de onde foi retirado um "tumor do tamanho de uma bola de beisebol", descreveu o próprio Chávez. "É por isso que os russos dão menos de um ano de vida ao líder enquanto os cubanos dois", indica o email revelado.

Também de acordo com a mensagem, o tumor de Chávez começou com o surgimento de um volume "perto da próstata que se estendeu para o cólon". Conforme fontes médicas confiáveis, o câncer se propagou dos nódulos linfáticos até a medula óssea.

O site do jornal espanhol Público também traz a mesma informação do WikiLeaks e ressalta que a citada equipe médica garante que o câncer de Chávez "se estendeu para os nódulos linfáticos e a medula espinhal".

*Com EFE e AP

    Leia tudo sobre: chávezvenezuelacâncercirurgiaeleição venezuelaassembleiacuba

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG