Com escalada da crise, Otan manda aviões e monitora fronteiras da Ucrânia

Por BBC Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Voos de reconhecimento sobre Polônia e Romênia ressaltam preocupação da Europa com escalada após incursão da Rússia

BBC

A aliança militar ocidental Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) enviou nesta segunda-feira aviões de reconhecimento sobre a Polônia e a Romênia para monitorar as fronteiras em meio à crise na vizinha Ucrânia, um gesto que volta a ressaltar a preocupação europeia com a possível escalada no conflito ucraniano. Os voos ocorrerão "somente sobre território da aliança", afirmou um porta-voz do organismo.

Crise na Ucrânia: Obama e presidente chinês discutem solução diplomática

AP
Comboio de veículos militares sem placa viaja em estrada de Sevastopol para Simferopol, na Crimeia, Ucrânia (10/3)

O anúncio é feito num momento em que Moscou solidifica seu controle sobre a Crimeia, região autônoma na Ucrânia, uma semana antes de um referendo em que a população local votará se prefere que o território seja anexado à Rússia.

O Ocidente e a Ucrânia consideram o referendo "ilegal", mas ele obteve apoio dos Parlamentos da Crimeia e da Rússia, bem como do presidente russo, Vladimir Putin.

Assembleia russa: Parlamento da Crimeia tem direito de convocar referendo

Obama: Referendo sobre separação da Crimeia da Ucrânia viola lei internacional

A Ucrânia não é membro da Otan, mas a intervenção russa na Crimeia causou preocupação em países vizinhos (entre eles membros da aliança que faziam parte da esfera soviética), informa a agência Reuters.

Os voos Awacs (sigla em inglês de "voos de controle e aviso inicial") sairão de bases na Alemanha e Grã-Bretanha para "aumentar a percepção da situação pela aliança" pelo tempo que for necessário, agregou o porta-voz da Otan.

Veja imagens da presença russa na Crimeia:

Comboio de caminhões brancos com ajuda humanitária deixa Alabino, nos arredores de Moscou, Rússia (12/08). Foto: APManifestante ao lado de transeuntes na Praça da Independência em Kiev (9/08). Foto: ReutersManifestante segura coquetel molotov enquanto tenta impedir que trabalhadores municipais e voluntários limpem barricadas em Kiev (9/08). Foto: ReutersMembro de equipe antibomba inspeciona cratera com os restos de um projétil depois de uma noite de combates em Donetsk, Ucrânia (6/08). Foto: APMulher deixa prédio danificado por suposto bombardeio levando seus pertences na área central de Donetsk, Ucrânia (29/07). Foto: ReutersRebeldes pró-Rússia em um tanque com a bandeira da Rússia em uma estrada a leste de Donetsk, Ucrânia (21/07). Foto: APPrimeiro-ministro ucraniano Arseniy Yatsenyuk, à dir., conversa com um oficial durante inspecção ao Exército fora da cidade de Slovyansk, Ucrânia (16/07). Foto: APPremiê ucraniano, Arseniy Yatsenyuk (E), cumprimenta soldado ao inspecionar tropas em Slovyansk, leste da Ucrânia (16/07). Foto: APMulher chora perto de prédio que desmoronou após ataque aéreo em Snizhne, a 100 km a leste da cidade de Donetsk, no leste da Ucrânia (15/07). Foto: APCombatente da República Popular de Donetsk se despede de sua família, que deixa essa cidade no leste da Ucrânia para refugiar-se na Rússia (14/07). Foto: APCombatentes separatistas pró-russos esperam atrás de sacos de areia em posto de controle em Donetsk, Ucrânia (10/07). Foto: ReutersMilitares ucranianos perto das armas apreendidas de separatistas pró-russos perto Slaviansk, Ucrânia (8/07). Foto: ReutersMilitante mascarado pró-Rússia organiza o trânsito em posto de controle após ataque das tropas ucranianas em Slovyansk (24/4). Foto: APAtiradores mascarados pró-Rússia guardam entrada de escritório regional ucraniano do Serviço de Segurança em Luhansk com bandeira russa ao fundo (21/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia guarda barricada em prédio da administração regional capturado em Donetsk. Cartaz diz: 'EUA, tirem as mãos do leste da Ucrânia' (19/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia olha para o lado de fora de janela em prédio da administração regional de Donetsk, Ucrânia (18/4). Foto: APAtirador pró-Rússia abre caminho para veículo de combate com homens armados em seu topo em Slovyansk, Ucrânia (16/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia guarda barricada em prédio da administração regional em Donetsk, Ucrânia (15/4). Foto: APAtivista pró-Rússia é visto durante invasão de delegacia na cidade de Horlivka, leste da Ucrânia (14/4). Foto: APAtivistas armados pró-Rússia ocupam a delegacia de polícia no leste da Ucrânia, na cidade de Slaviansk (12/04). Foto: APAtivistas pró-Rússia ocupam delegacia de polícia e constroem uma barricada na cidade ucraniana oriental de Slovyansk (12/04). Foto: APHomens armados não identificados caminham em área perto de unidade militar ucraniana em Simferopol, Crimeia (18/3). Foto: APSoldado armado, provavelmente russo, anda perto de uma base militar ucraniana na aldeia de Perevalnoye (9/3). Foto: ReutersUm homem armado, que se acredita ser um soldado russo, anda perto da base naval ucraniana na Crimeia, no porto de Yevpatory (8/3). Foto: ReutersMarinheiro observa navio inativo Ochakov, que foi afundado por tropas russas e bloqueou o tráfego de cinco embarcações ucranianas em Myrnyi, oeste da Crimeia, Ucrânia (6/3). Foto: APCriança brinca perto de soldado russo (D) enquanto soldados ucranianos observam do outro lado do portão de base em Perevalne, Crimeia (4/3). Foto: APSoldado pró-Rússia bloqueia base naval na vila de Novoozerne, Crimeia, na Ucrânia (3/3). Foto: APGrupo de homens armados sem emblemas em uniformes cortam luz do Quartel-General das forças navais ucranianas em Sevastopol, Crimeia, Ucrânia (2/3). Foto: APComboio russo se move de Sevastopol para Sinferopol na Crimeia, Ucrânia (2/3). Foto: APHomem com uniforme sem identificação monta guarda enquanto tropas tomam controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, em Sevastopol (Crimeia), na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda em Balaklava, nos arredores de Sevastopol, na ucraniana Península da Crimeia (1/3)
. Foto: APEmblema em veículo e placas de outros carros indicam que tropas são do Exército russo (1/3). Foto: APHomens armados não identificados e vestidos com uniformes de camuflagem bloqueiam a entrada do prédio do Parlamento da Crimeia em Simferopol, Ucrânia (1/3). Foto: APHomens armados não identificados bloqueiam entrada de Parlamento da Crimeia em Simferopol, Ucrânia (1/3). Foto: APHomem armado não identificado com uniforme de camuflagem bloqueia estrada que leva a aeroporto militar em Sevastopol, na Crimeia. Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda durante tomada de controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, Crimeia, na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda durante tomada de controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, Crimeia, na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda nos arredores de Sevastopol, na ucraniana Crimeia. Foto: APHomem com uniforme sem identificação patrula aeroporto de Simferopol, na Ucrânia (28/2). Foto: AP

Punição: União Europeia suspende negociações econômicas e de vistos com a Rússia

Retaliação: Obama determina sanções por ameaças à soberania da Ucrânia

Na semana passada, a organização afirmou que revisaria sua cooperação com a Rússia e aumentaria seu engajamento com o governo de Kiev, depois que homens vestindo uniformes militares invadiram um hospital em Simferopol (Crimeia), onde veteranos e soldados estavam internados.

Crimeia

Tropas pró-Rússia também bloqueiam o acesso de soldados ucranianos à Crimeia. Oficialmente, Moscou nega que suas tropas estejam participando dos bloqueios e atribuem a iniciativa a forças "de autodefesa".

O governo em Kiev - com apoio de EUA e União Europeia - acusa a Rússia de invadir a Ucrânia, violando leis internacionais.

Em outro desdobramento da crise, tropas pró-Rússia tentaram tomar o controle de uma base de transporte de Bahkchysarai, município entre Simferopol e Sevastopol. Os homens dispararam tiros ao alto, mas soldados ucranianos impediram a tomada do local.

Pouco a pouco, e com pouca resistência, as tropas pró-Rússia estão desmontando a capacidade ucraniana de manter-se na Crimeia, informa o enviado da BBC à região, Christian Fraser.

Leia tudo sobre: rússiaucrâniarússia na ucrâniacrimeiaotan

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas