Jornalista britânico relata suposto ataque com armas químicas na Síria

Por BBC Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Repórter do The Times teve acesso a imagens gravadas por médicos que mostram vítimas supostamente atingidas por gás sarin

BBC

Um repórter do jornal britânico The Times teve acesso a imagens gravadas por médicos na Síria que mostram supostas vitimas de ataque com armas químicas. O video não pôde ser verificado de forma independente, mas segundo o jornalista Anthony Lloyd, há sinais claros de que eles foram vítimas do gás sarin.

Autoridades sírias: 'Não precisamos de armas químicas para vencer guerra'

Hagel e Casa Branca: EUA suspeitam de uso de armas químicas por Síria

Ele explica que o grupo de pacientes chegou a um hospital de Aleppo no início de abril sem marcas de ferimentos causados por bombas ou tiros. Eles estavam espumando pela boca, tinham as pupilas dilatadas e estavam se contorcendo, o que, segundo o repórter, seriam efeitos do gás.

O jornalista conversou com um programa da BBC e disse que cinco pessoas teriam sido atingidas pelo ataque, e dessas, três morreram e duas foram salvas. Doze profissionais, entre eles médicos, motoristas e socorristas, também tiveram que ser tratados, simplesmente por terem tocado nas vítimas.

Sarin: Israel acusa governo Assad de usar armas químicas contra rebeldes sírios

Março: Síria e rebeldes trocam acusações de 'ataque químico'

O gás sarin é inodoro e incolor e atinge o sistema nervoso, causando convulsões, paralisia e podendo matar rapidamente, explica Lloyd. Se confirmado, o ataque poderia elevar as discussões da comunidade internacional sobre a possibilidade de uma intervenção militar no país, onde segundo a ONU mais de 70 mil morreram em mais de dois anos de guerra civil.

Assista ao vídeo. Atenção: imagens são fortes


Leia tudo sobre: síriaarmas químicassarinmundo árabeprimavera árabealeppo

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas