Historiador decifra 'carisma' de Hitler e vê paralelos em mundo de hoje

Ascensão de líder nazista tem suas raízes não apenas nas circunstâncias históricas do período como também na forma de sua liderança

BBC Brasil | - Atualizada às

BBC

Poucos teriam previsto, com base nas características pessoais de Hitler, que ele seria capaz de formar uma conexão tão forte com milhões de pessoas. Até hoje, muitos se perguntam como foi possível que um tipo esquisito, com tantos defeitos e inadequações, conquistasse o poder em um país como a Alemanha, em pleno coração da Europa. Pois o caso do líder alemão é um importante aviso para o mundo moderno.

Memória: Judeu alemão relembra infância como vizinho de Hitler

AP
Líder nazista Adolf Hitler é saudado por soldados em Nuremberg em 2 de setembro de 1933

Controvérsia: Loja chamada Hitler cria tensão na Índia

A ascensão de Adolf Hitler tem suas raízes não apenas nas circunstâncias históricas do período - em particular, a derrota da Alemanha na Primeira Guerra Mundial e a depressão econômica do início da década de 1930 - como também na forma de sua liderança. E é esse aspecto do fenômeno Hitler que torna sua história tão relevante para nossas vidas hoje.

'Providência'

Hitler foi o arquétipo do líder carismático. Não era um político "normal" - alguém que promete medidas como impostos menores ou melhor sistema de saúde -, mas quase um líder religioso, que oferece metas espirituais, como redenção e salvação. Hitler acreditava estar predestinado a algo grandioso. Ele chamava isso de "providência".

Antes da Primeira Guerra Mundial, era um joão-ninguém, um sujeito estranho, que não conseguia formar relacionamentos íntimos, incapaz de participar de uma discussão intelectual e cheio de raiva e preconceito. Mas, quando fazia discursos para o povo após a derrota da Alemanha na Primeira Guerra, suas fraquezas eram percebidas como qualidades.

O ódio que sentia ecoava os sentimentos de milhares de alemães que, sentindo-se humilhados pelos termos do Tratado de Versalhes, buscavam um bode expiatório. Sua falta de talento para debates era vista como um sinal de caráter, sua recusa em bater papo, a marca de um "grande homem" que vivia em um mundo à parte.

E, acima de tudo, estava o fato de que Hitler descobriu que era capaz de se conectar com sua audiência. Isso, que muitos chamam de "carisma", formou a base do seu futuro sucesso. "O homem emanava um carisma tal que as pessoas acreditavam em qualquer coisa que ele dizia", disse Emil Klein, que ouviu Hitler falar na década de 1920.

AP
Imagem de dezembro de 1938 mostra Hitler em Berlim, Alemanha

Mas Hitler não hipnotizava a audiência. Nem todos sentiam essa conexão. Era necessário estar predisposto a acreditar no que ele dizia para poder vivenciar essa conexão. Muitos que ouviram discursos de Hitler nesse período achavam que ele era um idiota.

"Senti uma aversão imediata a ele por causa da sua voz estridente", disse Herbert Richter, um veterano alemão da Primeira Guerra Mundial que conheceu Hitler em Munique na década de 1920. "Ele berrava ideias políticas realmente simples. Achei que ele não era muito normal."

Historiadora:  Hitler protegeu jurista judeu pessoalmente

Quando a economia da Alemanha ia bem, no período entre 1925 e o final da década, Hitler era considerado carismático apenas por um punhado de fanáticos. Na eleição de 1928, os nazistas conseguiram apenas 2,6% dos votos. Em menos de cinco anos, no entanto, Hitler viria a ocupar o posto de chanceler da Alemanha, líder do partido político mais popular do país.

O que mudou foi a situação econômica. A quebra da bolsa em Nova York, nos Estados Unidos, em 1929, deixou milhares de desempregados e vários bancos falidos na Alemanha. "O povo estava realmente com fome", disse Jutta Ruediger, que começou a apoiar os nazistas nessa época. "Foi muito, muito duro. Nesse contexto, Hitler, com suas verdades, parecia ser o portador da salvação".

Ela disse que olhou para Hitler e, de repente, sentiu uma conexão com ele. "Tinha a sensação de que aqui estava um homem que não pensava em si próprio e em suas vantagens pessoais, mas somente no bem do povo alemão".

Paralelos Históricos

Hitler disse a milhões de alemães que eles eram arianos e, portanto, "especiais". Que eram, racialmente, um povo "melhor" do que os outros, algo que ajudou a cimentar a conexão carismática entre o líder e os liderados.

Ele não escondeu do eleitorado seu ódio, seu desprezo pela democracia ou sua crença no uso da violência para alcançar objetivos políticos. Um detalhe crucial, no entanto, era que ele falava contra inimigos definidos cuidadosamente, como comunistas e judeus.

Uma vez que a maioria dos alemães comuns não se encaixava nesses grupos e, desde que essa maioria abraçasse o novo mundo nazista, o alemão comum estava relativamente livre de perseguições. Pelo menos até os alemães começarem a perder a guerra.

Essa história é importante para nós hoje. Não apenas porque nos oferece "lições", mas porque a História pode conter avisos. Em uma crise econômica, milhões de pessoas decidiram se voltar para um líder pouco convencional que, na opinião deles, tinha "carisma".

Um líder que se conectava com seus medos, esperanças e desejo latente de culpar os outros pela situação difícil que viviam. O resultado disso foi desastroso para milhões de pessoas.

Legado: Filhos e netos de nazistas relatam trauma de lidar com passado sombrio

Quando Hitler assumiu o poder, o índice de desemprego na Alemanha era 30%. Hoje, na Grécia, é de 25,1%. E está subindo. É irônico que, recentemente, a chanceler alemã Angela Merkel tenha sido saudada em Atenas por gregos irados, carregando cartazes com suásticas, protestando contra o que consideram ser uma interferência indevida da Alemanha em seu país.

Irônico porque é na Grécia - em meio a uma terrível crise econômica - que se observa a ascensão repentina de um movimento político que se gaba de sua intolerância e desejo de perseguir minorias - o Aurora Dourada.

O movimento é liderado por um homem que alega não ter havido câmaras de gás em Auschwitz. Pode existir um aviso mais sério do que esse?

O historiador Laurence Rees é autor de seis livros sobre a Segunda Guerra Mundial.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG