Após renúncia, Berlusconi descarta nova candidatura

Em entrevista, premiê italiano aponta Angelino Alfano como candidato do partido e diz ter sido traído em votação do Orçamento

iG São Paulo |

O primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, afirmou nesta quarta-feira que não será candidato nas próximas eleições italianas, um dia após prometer renunciar ao cargo assim que o pacote de austeridade exigido pela União Europeia for aprovado. “Não vou disputar o gabinete”, afirmou, em entrevista ao jornal La Stampa.

Em abril, Berlusconi já havia dito que não pretendia disputar a reeleição após o término de seu mandato, que aconteceria em 2013. Na terça-feira, o líder prometeu renunciar após uma votação do Orçamento deixar claro que ele perdeu a maioria absoluta na Câmara .

Leia também: Berlusconi promete renunciar após aprovação de pacote
- Berlusconi diz se sentir como Mussolini

AP
Berlusconi acena aos jornalistas após deixar o palácio presidencial em Roma, onde se reuniu com Giorgio Napolitano (08/11)

Na entrevista ao La Stampa, Berlusconi afirmou que o candidato de seu partido, o PDL (Povo da Liberdade), será Angelino Alfano, ex-ministro da Justiça e atual secretário-geral da legenda.

“Chegou a hora de Alfano. Ele será nosso candidato”, afirmou Berlusconi. “Ele é realmente bom, melhor do que qualquer um pode imaginar, e sua liderança é aceita por todos.”

O premiê italiano classificou de “alucinante” a votação do Orçamento realizada na terça-feira. “Fui traído pelos que levei em meu coração durante toda uma vida”, afirmou. “Quando penso em tudo o que fiz por Roberto Antonione (um dos deputados que não o apoiou)...sou padrinho de sua filha.”

Berlusconi afirmou que só renunciará após a aprovação do pacote de austeridade porque esse foi seu “compromisso” com os demais países da União Europeia.

“Não podemos esperar mais para adotar as medidas que decidimos. Esse foi meu compromisso com a Europa e, antes de ir, quero cumpri-lo”, afirmou.

“Faço um chamado a todos, maioria e oposição, para que essas medidas sejam aprovadas o quanto antes. Depois, apresentarei minha renúncia", acrescentou, dizendo ainda que seus filhos estão “contentíssimos” com sua decisão. Berlusconi disse que os planos para o futuro incluem participar da campanha eleitoral e, talvez, ser presidente do Milan.

Juros

O anúncio de Berlusconi não adiantou para evitar a disparada nos custos da dívida italiana, cujos títulos de dez anos já estão pagando mais de 7% de juros anuais, patamar considerado limite para evitar um calote do governo. Este é o maior nível do custo de endividamento da Itália desde a criação do euro, em 1999.

Enquanto isso, uma delegação da União Europeia (UE) chega a Roma nesta quarta-feira para observar as medidas tomadas pela Itália para evitar o agravamento da crise na zona do euro.

Leia também: Entenda a crise econômica mundial

As autoridades querem saber, entre uma longa lista de itens, como o governo planeja vender estatais, como vai reduzir sua enorme dívida e como pretende cortar o déficit previdenciário.

O Comissário da União Europeia para Assuntos Econômicos, Olli Rehn, descreveu a situação italiana como "muito preocupante".

Com BBC, AFP e EFE

    Leia tudo sobre: renúncia de berlusconiitáliaberlusconicrise

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG