A polícia de Nova York responde ao incidente nesta terça-feira; um homem foi levado sob custódia depois de atingir ciclistas e bater em van escolar

Veículo poder ter atingido ciclistas em Lower Manhattan, em Nova York, por volta das 17h (horário de Brasília)
Reprodução/NYPD
Veículo poder ter atingido ciclistas em Lower Manhattan, em Nova York, por volta das 17h (horário de Brasília)




Pelo menos oito pessoas morreram e onze ficaram feridas, na tarde desta terça-feira (31), em Nova York, durante um ataque terrorista. Um veículo avançou na contramão da rua, avançando sobre uma ciclovia, atropelando diversos civis e colidindo com um ônibus escolar. O ataque foi entre as ruas West Street e Chambers Street, em Lower Manhattan, próximo ao local onde ficava localizado o World Trade Center. 

Leia também: Ao menos 40 deputados do Reino Unido são acusados de assédio sexual

O prefeito de Nova York, Bill de Blasio, e o chefe de polícia da cidade, James P. O'Neill, confirmaram em entrevista coletiva que por volta das 15h locais (17h no horário de Brasília),  Sayfullo Saipov, de 29 anos,  conduzindo uma pick up , avançou propositalmente contra ciclistas e pessoas que transitavam pelo local.

Após bater no ônibus escolar, ele desceu portando duas armas e gritou “Allahu Akbar” ao sair do veículo. Em seguida, foi baleado pela polícia e detido. Uma das armas era de chumbinho e outra de de brinquedo.  

"Este foi um ato de terror e um ato de terror particularmente covarde", afirmou de Blasio. O homem foi atingido no abdômen e levado para um hospital local, mas ele não corre risco de morrer.

Seis pessoas foram declaradas mortas já no local, e outras duas no hospital. Entre os onze feridos, duas são crianças que estavam dentro do ônibus escolar atingido.

Estudantes da Stuyvesant High School relataram que viram um homem atirando em uma caminhonete, depois viram o caminhão girar e atacar um ônibus escolar
Reprodução/Google Maps
Estudantes da Stuyvesant High School relataram que viram um homem atirando em uma caminhonete, depois viram o caminhão girar e atacar um ônibus escolar

A polícia antiterrorista procura por explosivos no veículo envolvido no incidente, fechando uma grande área nos arredores. Mais de cem agentes de segurança foram encaminhados ao local.

No entanto, as autoridades descartam que ele tenha comparsas e acreditam que o homem estivesse sozinho.

O presidente Donald Trump declarou nas redes sociais: "Em Nova York, parece outro ataque de uma pessoa muito doente e perturbada. As forças da lei estão acompanhando isso de perto. NÃO NOS EUA!". 

Leia também: Polícia prende suposto serial killer com partes de nove corpos em apartamento

Tiros ouvidos por estudantes

Estudantes da Stuyvesant High School, que fica próximo ao local, relataram que viram um homem atirando em uma caminhonete e que depois viram o caminhão girar e atacar o ônibus escolar.  "O que aconteceu foi um acidente de carro... [Então, um homem] saiu de um dos carros e tinha duas armas", afirmou um estudante de 14 anos. "Nós pensamos que era uma algo relacionado ao Halloween. Ele começou a correr pela rua. E havia outro sujeito com uma camisa verde que o perseguia", completou.

Leia também: Na Bélgica, ex-líder catalão nega que pedirá asilo e delata Espanha por opressão

A área atingida pelo incidente hoje possui muitas escolas. Milhares de pessoas em Manhattan e em todo o país comemoram, nesta terça-feira, o "Halloween", festa bastante tradicional americana.

Argentinos e belga entre as vítimas

O governo da Argentina informou em comunicado que há cidadãos do país entre os mortos no atentado. Segundo o Ministério das Relações Exteriores do país, cinco cidadãos argentinos morreram durante o ataque. 

As vítimas são Hernán Diego Mendoza, Diego Enrique Angelini, Alejandro Damián Pagnucco, Ariel Erlij e Hernán Ferruchi. Além deles, Martín Ludovico também foi atingido pelo veículo e está internado. O grupo é da cidade de Rosario.

Segundo Didier Reynders, chanceler da Bélgica, uma das vítimas fatais do atentado é natural da região de Roulers e estaria viajando com a família pelos Estados Unidos. A identidade da mulher não foi revelada.

*com informações da CNN e The New York Times

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.