Benjamin Paddock era assaltante de banco nos anos 60 e 70 e chegou a fugir da prisão; Stephen Paddock não conheceu o pai, de acordo com seu irmão

Benjamin Paddock, pai do atirador, foi descrito pelo FBI como 'psicopata, armado, perigoso e com tendências suicidas'
Reprodução
Benjamin Paddock, pai do atirador, foi descrito pelo FBI como 'psicopata, armado, perigoso e com tendências suicidas'

O pai de Stephen, atirador que matou pelo menos 59 pessoas em Las Vegas , já foi um dos criminosos mais procurados dos Estados Unidos. Benjamin Hoskins Paddock era um conhecido assaltante de bancos e começou a integrar a lista dos dez mais procurados do FBI no ano de 1969, quando fugiu de uma prisão em El Paso, no Texas. Ele havia sido detido no início dos anos 60 por roubar pelo menos três bancos em Phoenix. A prisão dele aconteceu justamente em Las Vegas. Logo após escapar, ele assaltou mais um banco em São Francisco e desapareceu por anos.

Por conta da fuga ousada, Paddock ficou na lista dos dez mais procurados até o ano de 1977, quando foi novamente preso. Ele foi encontrado na cidade de Eugene, Oregon. O criminoso havia mudado seu nome para Bruce Werner Ericksen e trabalhava como gerente em um bingo local. Ainda não se sabe o que se passou após a segunda prisão de Benjamin, mas documentos públicos confirmam que ele morreu no ano de 1998.

Leia também: "Ele pirou ou algo assim", diz irmão do responsável por massacre em Las Vegas

Benjamin era descrito pelas autoridades da época como um homem confiante, arrogante e que tinha habilidades de persuasão. Chamam atenção também as características atribuídas ao criminoso em seu cartaz de procurado do FBI, onde ele é chamado de "psicopata, armado, perigoso e com tendências suicidas". Coincidentemente, essas palavras poderiam perfeitamente se encaixar em um descrição do filho, Stephen, que se matou após atentar contra a vida de centenas de pessoas. Outra semelhança entre pai e filho é que ambos são descritos como amantes de jogos de azar

As coincidências, no entanto, param por aí. Sem ficha criminal, o contador aposentado Stephen é descrito pela família como um "cara normal", sem grandes afiliciações políticas ou religiosas ou qualquer histórico de violência. "Era um cara rico que gostava de apostar em cruzeiros, sair para passear. Tinha uma namorada. Não sabemos o que houve. Ele pirou ou algo do tipo", afirmou Eric, irmão do atirador, ao explicar o choque da família ao descobrir que Stephen havia cometido o crime.

Eric também falou sobre Benjamin Hoskins, garantindo que "ele não fazia parte da família" e que ele e os irmãos não tinham contato com o pai. "Nós não o conhecíamos", disse Eric.

Entenda o ataque

O massacre aconteceu durante o Route 91 Harvest Festival, evento de música country que era realizado próximo do hotel e cassino Mandalay Bay, na Las Vegas Boulevard, uma das vias mais movimentadas da cidade e repleta de turistas. O show reunia cerca de 22 mil pessoas.

Leia também: Polícia encontra mulher que seria colega de quarto do atirador de Las Vegas

Em entrevista coletiva, o xerife Joe Lombardo informou que o atirador, identificado como um homem branco, morador de Vegas, cometeu suicídio no 32° andar do Mandalay Bay – de onde ele efetuou os disparos – e que ele agiu sozinho.

Os hospitais de Las Vegas estão lotados e as autoridades iniciaram uma campanha para doação de sangue aos feridos. A rede  CNN   informou que este episódio é o tiroteio mais sangrento da história dos Estados Unidos .

Segundo as últimas informações da polícia, Stephen Paddock deixou 58 mortos e 515 feridos no ataque a tiros. O grupo terrorista Estado Islâmico chegou a reivindicar o ataque, mas a polícia e o FBI negam que exista alguma evidência que confirma a veracidade dessa reivindicação. Paddock pai é o único registro violento no histórico de Stephen.

Leia também: Ataque de atirador em casa noturna de Istambul deixa pelo menos 39 mortos

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.