Marilou Danley não é considerada perigosa, mas a polícia quer interrogá-la para recolher informações sobre o atirador; ao menos 58 vítimas morreram

Polícia afirmou que já localizou Marilou Danley, a mulher que estaria ligada ao atirador de Las Vegas
Reprodução/Twitter
Polícia afirmou que já localizou Marilou Danley, a mulher que estaria ligada ao atirador de Las Vegas

A polícia norte-americana afirmou, na manhã desta segunda-feira (2), no horário de Brasília, que encontrou Marilou Danley, a mulher identificada como "colega de quarto" de Stephen Paddock – o atirador que deixou ao menos 58 mortos e 550 feridos em Las Vegas, em um show na madrugada desta segunda

De acordo com o xerife de Las Vegas, Joe Lombardo, a polícia não sabe se Marilou Danley tem alguma relação com o ataque, mas quer interrogá-la. Ela, por enquanto, está sendo identificada como uma "pessoa de interesse" da polícia. 

Além dela, a polícia encontrou também dois carros suspeitos, que parecem pertencer a Paddock. Aparentemente, ele agiu sozinho e não tem nenhuma relação com grupos terroristas. 

Essa foi a primeira imagem divulgada pela mídia norte-americana de Stephen Paddock, o homem que efetuou os disparos
Reprodução/Twitter
Essa foi a primeira imagem divulgada pela mídia norte-americana de Stephen Paddock, o homem que efetuou os disparos

A imprensa norte-americana está compartilhando uma primeira imagem de Paddock. Ele cometeu sicídio assim que a polícia entrou em seu quarto, durante a ação.

Entenda o ataque

O massacre aconteceu durante o Route 91 Harvest Festival, evento de música country que era realizado próximo do hotel e cassino Mandalay Bay, na  Las Vegas  Boulevard, uma das vias mais movimentadas da cidade e repleta de turistas. O show reunia 22 mil pessoas.

Joe Lombardo, xerife de Las Vegas
Reprodução/Facebook/LVMPD
Joe Lombardo, xerife de Las Vegas

O tiroteio já é considerado o mais sangrento episódio com arma de fogo na história dos Estados Unidos.

Em entrevista coletiva, o xerife Joe Lombardo informou que o atirador, identificado como  Stephen Paddock , um homem branco, morador de Vegas, de 64 anos, cometeu suicídio no 32° andar do Mandalay Bay – de onde ele efetuou os disparos – e que ele agiu sozinho.

Leia também: Ataque de atirador em casa noturna de Istambul deixa pelo menos 39 mortos

Em entrevista à rede de TV norte-americana CNN , James Gagliano, agente do FBI aposentado, afirmou que tudo que o atirador, diante de um grupo de 22 mil pessoas concentrado em um local limitado, precisava fazer era "mirar no centro e apertar o gatilho".

Depois de ver alguns vídeos do tiroteio, Gagliano observou que as pausas entre os disparos significam que o atirador estaria trocando o pente da arma ou então tentando evitar a entrada de policiais no quarto onde estava. Sobre o fato de o homem estar no 32° andar, o ex-agente disse que as "pessoas não são treinadas para olhar para cima" e que, em casos assim, "ninguém sabe de onde os tiros estão vindo".

Os hospitais de Las Vegas estão lotados e as autoridades iniciaram uma campanha para doação de sangue aos feridos. A rede CNN  informou que este episódio é o tiroteio mais sangrento da história dos EUA.

Leia também: Atirador invade universidade e deixa ao menos dez feridos em Ohio, nos EUA

Ainda não há informações a respeito do interrogatório da mulher, Marilou Danley, que foi procurada após o tiroteio, por ter ligações com o atirador . Ela não é considerada perigosa.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.