Estados Unidos, China, Rússia, Japão, Coreia do Sul, França, Otan e União Europeia repudiaram ação insensata do ditador norte coreano Kim Jong-un

Após o teste com bomba de hidrogênio realizada pela Coreia do Norte na madrugada deste domingo (3), a comunidade internacional criticou o novo ato ameaçador do ditador Kim Jong-Un. O poder do artefato chegou a causar um tremor de magnitude 6,3 aos arredores do local em que o teste foi realizado.

Leia também: Coreia do Norte comemora sucesso de teste com bomba de hidrogênio

Donald Trump usou o Twitter para atacar a Coreia do Norte após novo teste nuclear realizado na madrugada deste domingo (3)
White House/Reprodução
Donald Trump usou o Twitter para atacar a Coreia do Norte após novo teste nuclear realizado na madrugada deste domingo (3)


Estados Unidos, China, Rússia, Japão, Coreia do Sul, França, Otan e União Europeia condenaram o teste que fere resoluções da Organização das Nações Unidas (ONU), além de exigir o fim dos programas nuclear e balístico da Coreia do Norte. Por meio do Twitter, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou que as decisões da Coreia são hostis e ameaçam a segurança dos EUA.

Agências internacionais afirmam que o presidente dos EUA e a equipe de segurança nacional devem se reunir ainda neste domingo (3) para avaliar os efeitos do novo teste e pensar em estratégias de defesa. Ainda existe a possibilidade de o país impor uma série de sanções ao líder norte coreano, conforme afirmação do secretário do Tesouro americano, Steven Mnuchin. Segundo ele, estão sendo preparado um pacote de restrições que será entregue a Trump em breve.

Leia também: Em fórum do Brics, Michel Temer diz que não há espaço para improvisos

Ameaça mundial

O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, afirmou que o novo teste é uma ameaça mundial e que “compromete seriamente a paz e a segurança” de seu país. O mesmo discurso de repúdio foi feita pela China, que sedia encontro de empresários com líderes do Brics deste a semana passada.

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia pediu calma aos envolvidos na questão nuclear e reafirmou a necessidade de diálogo entre as partes. Já o presidente da França Emmanuel Macron, solicitou ao Conselho de Segurança da ONU reação rápida e decisiva em relação as ameaças constantes de Kim Jong-Un. “A comunidade internacional deve tratar esta nova provocação com a maior firmeza, para que a Coreia do Norte volte incondicionalmente ao caminho do diálogo e proceda ao desmantelamento completo, verificável e irreversível de seu programa nuclear e balístico".   

Em Xiamen, na China, onde acompanha o presidente Michel Temer para a 9ª Cúpula do Brics (grupo que reúne Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), o chanceler brasileiro, Aloysio Nunes, disse que o teste realizado pela Coreia do Norte aumenta a urgência para que se contenha uma escalada armamentista no mundo. “É apavorante. O mundo está ficando cada vez mais perigoso. É preciso deter essa escalada. O Brasil condena e apoia as resoluções da ONU aplicando sanções à Coreia do Norte em razão dos seus testes nucleares”, afirmou.

*Com informações da Agência Brasil

Leia também: Combates entre Exército e Estado Islâmico deixam ao menos 60 mortos na Síria

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.