O dono da festa, cujo nome não foi divulgado, era o secretário de um cardeal muito próximo ao Papa Francisco e acabara de ser indicado para ser bispo

Papa Francisco
Instagram / Papa Francisco
Papa Francisco


A polícia do Vaticano invadiu, nos últimos dias de junho, uma festa regada a drogas em um apartamento. O responsável pelo imóvel é o secretário do Cardeal Francesco Coccopalmerio, um dos conselheiros do Papa Francisco – que ficou enfurecido com a situação.

Leia também: Em passagem rápida por Roma, Trump tem visita "fantástica" com papa Francisco

Incomodados pela grande movimentação e o comportamento incomum na porta ao lado, os vizinhos do secretário chamaram as autoridades e, assim, se tornaram personagens coadjuvantes em mais um recente cândalo do  Vaticano

De acordo com o portal US News , o imóvel era usado pelo secretário, porém, pertence à Congregação para a Doutrina da Fé do Vaticano, entidade responsável por analisar os membros do clero denunciados por abuso sexual. 

O dono da festa foi levado a um hospital, onde passou por uma desintoxicação por conta do uso de drogas, e depois foi levado até a polícia para depor. Segundo o site  New York Daily News , é provável que ele tenha que enfrentar apenas acusações de uso de entorpecentes, já que, na cidade-Estado sede da Igreja Católica, o sexo gay é legalizado.

Agora o secretário, que antes fora indicado para se tornar bispo, passa os seus dias em um convento no interior da Itália – e, provavelmente, não vai receber o novo título tão cedo.

Escândalos demoníacos brasileiros

Esta não foi a primeira vez que o nome na Igreja se envolveu em escândalos midiáticos, aliás, no mês passado, os católicos precisaram lidar com uma denúncia um tanto quanto inusitada – e assustadora.

O grupo católico ultraconservador brasileiro Arautos do Evangelho se tornou notícia em todo o mundo por, supostamente, manter um pacto com o Satã desde a morte de seu líder em 1995 . A Igreja afirma ter aberto uma investigação sobre o caso.

Vaticano investiga grupo católico brasileiro por
Reprodução/Daily Mail
Vaticano investiga grupo católico brasileiro por "pacto com o Satã" e exorcismo "desonesto"


Toda a repercussão aconteceu depois de um vídeo ter sido divulgado, no qual é possível ver membros do Arautos do Evangelho citando um “diálogo entre o grupo e o Satã ”  em que é citada a morte do Papa Francisco , entre outros temas. Nas imagens divulgadas, o monsenhor João Scognamiglio Clá Dias, um cânone honorário da Igreja Católica no Vaticano e líder da organização, protagoniza a cena e, segundo as informações oficiais, ele teria renunciado ao cargo.

Leia também: Papa Francisco abençoa grupo gay católico em carta

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.