'Não atenderam oferta': apesar de promessa, Assange pode não se entregar aos EUA

Ativista havia divulgado pelo Twitter que retornaria ao país norte-americano caso a ex-soldado Chelsea Manning recebesse indulto do presidente Obama; porém, o diretor do WikiLeaks afirmou que esperava a liberdade imediata
Foto: Wikimedia Commons
WikiLeaks: Julian Assange está desde 2012 na embaixada do Equador em Londres, onde pediu asilo diplomático

Após divulgar que se entregaria ao governo dos Estados Unidos  no caso da libertação de Chelsea Manning – ex-soldado transgênero condenada a 35 anos de prisão por ter vazado milhares de documentos sigilosos do governo norte-americano ao site WikiLeaks –, o ativista Julian Assange pode não se entregar, segundo seus advogados, já que as condições impostas para a extradição não foram respeitadas.

Segundo um de seus advogados, Barry Pollack, Assange acolheu "positivamente" a decisão do presidente Barack Obama de comutar a pena da ex-soldado, mas "isso é menos do que ele queria". "Ele tinha pedido [por meio do Twitter do WikiLeaks ] a graça e a libertação imediata", ressaltou Pollack.

Com o anúncio de terça-feira (17), Obama diminuiu o cumprimento da pena  - que terminaria em 2045 - e anunciou que soltará Manning em 17 de maio deste ano. A ex-soldado foi condenada por vazar mais de 700 mil documentos secretos do país.

“Decepcionante”

O porta-voz do presidente eleito dos EUA, Sean Spicer, afirmou que a decisão do atual líder da Casa Branca, Barack Obama, de comutar a pena da ex-soldado Chelsea Manning é "decepcionante".

Snowden celebra decisão

O ex-analista de sistemas da Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos (NSA) Edward Snowden, que foi responsável por vazar milhares de documentos sigilosos de espionagem dos Estados Unidos, agradeceu o presidente do país, Barack Obama, por ter comutado a pena da ex-soldado Chelsea Manning.

“Vamos dizer com sinceridade, com bom coração: obrigado, Obama!", afirmou o norte-americano no seu Twitter, também agradecendo a todas as pessoas que fizeram campanha pela libertação da ex-militar.

"Para todos que fizeram campanha para a clemência de Manning nestes últimos duros anos, obrigado. Vocês fizeram isso acontecer", escreveu o ex-analista na rede social.

"Vão embora": brasileiros relatam preconceito e medo a dias da posse de Trump

Snowden também mandou um recado para Manning ao saber da comutação da sua pena. "Em cinco meses, você estará livre. Obrigado pelo o que você fez por todo mundo, Chelsea. Continue forte por mais um tempo!", comemorou o norte-americano que atualmente está exilado na Rússia e teve seu pedido de asilo entendido pelas autoridades russas.

Já Assange, por meio do Twitter do WikiLeaks, agradeceu a todos que participaram da campanha em favor de Chelsea Manning e elogiou a ex-soldado. "Sua coragem e determinação tornaram possível o impossível”.

* Com informações da Ansa

Link deste artigo: https://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2017-01-18/wikileaks-assange.html