Execuções têm apoio público na Indonésia

Por BBC | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Segundo editora da BBC na Indonésia, muitos no país acham boa e corajosa a decisão do presidente e que a pena de morte deveria ser usada também para condenados por corrupção

BBC

O brasileiro Marco Archer Cardoso Moreira, de 53 anos, deverá ser executado por fuzilamento neste domingo na Indonésia, após ter esgotado todos os recursos para tentar reverter uma condenação por tráfico de drogas.

Ele foi preso ao tentar entrar no país com 13,4 kg de cocaína escondidos em tubos de uma asa-delta. A condenação foi em 2004 e, caso a pena seja cumprida, ele será o primeiro brasileiro executado por um governo estrangeiro. Na Indonésia, a execução é por fuzilamento.

Entenda: Brasileiro será fuzilado neste sábado na Indonésia por tráfico de drogas
 

Brasileiro(à direita) com seu advogado
Divulgação
Brasileiro(à direita) com seu advogado

O presidente indonésio, Joko Widodo, assumiu em outubro com a promessa de aplicar as execuções e não conceder clemência a condenados. Segundo ele, as drogas são uma "praga" para a sociedade.

Seis pessoas deverão ser executadas neste domingo - um indonésio e cinco estrangeiros, entre eles o brasileiro.

As iminentes execuções têm recebido apoio da população, especialmente nas redes sociais, disse a editora do serviço indonésio da BBC, Karishma Vaswani.

BBC Brasil: Qual a reação na Indonésia a estas iminentes execuções?
Karishma Vaswani:
Essas execuções estão recebendo bastante atenção, sobretudo nas redes sociais, mas por motivos que você não imaginaria. As pessoas não estão dizendo serem contra as execuções, mas estão dizendo que elas acham que é uma medida boa e corajosa do presidente e que as execuções e a pena de morte deveriam ser usadas, por exemplo, para condenados por corrupção. Porque, desta maneira, você evita que as pessoas cometam esse crime novamente.

Por outro lado, ativistas de direitos humanos têm criticado o presidente por adotar essa posição mais forte em relação às execuções e eles dizem que isso ameaça prejudicar a reputação da Indonésia como uma moderna nação muçulmana.

BBC Brasil: Então há um apoio popular à pena de morte em casos de narcotráfico?Karishma: É justo dizer que há apoio público à pena de morte para traficantes de drogas. Isso tem se refletido nas redes sociais. Eu acredito que a razão para isso é que o presidente disse que esta é uma questão social que tem se tornado problemática para o país.

O presidente disse - e eu imagino que os dados sejam da agência nacional de combate a narcóticos da Indonésia - que cerca de 40 ou 50 pessoas, todos os dias, são afetadas por drogas - sendo aliciadas ou envolvidas da produção ou venda. Ele também tem dito que a questão tem se tornado uma praga para a sociedade e se infiltrado nas escolas.

Então, há uma questão real de que este é um problema importado por estrangeiros de todo o mundo que chegam à Indonésia para vender drogas para indonésios ou outros estrangeiros. Ele não quer que a Indonésia se transforme num ponto de drogas e essa é uma maneira de afastar as pessoas.

BBC Brasil: Esta política dura com narcotraficantes teve algum impacto no consumo de drogas na Indonésia?
Karishma: Estas serão as primeiras execuções desde 2013, e é por isso que todo mundo está surpreso. A Indonésia não faz segredo do fato de que a pena de morte existe para traficantes de drogas. Então, se você é pego com drogas aqui, é isso que você enfrentará. Mas é raro que estrangeiros sejam executados - as pessoas acabam definhando no corredor da morte por anos e anos. Elas recorrem, pedem por clemência.

Há quase uma regra não escrita de que você fica atrás das grandes por um longo tempo mas há, no final, a chance de você ser solto. Agora, Joko Widodo assumiu e disse que isso não vai acontecer, que ele não vai dar clemência para ninguém.

É impossível dizer que isso teve algum impacto, porque está começando a acontecer agora. Tenho certeza que o presidente dirá no futuro que, se as pessoas pararem de serem presas com drogas, ele dirá 'veja, minha política teve um impacto'.

BBC Brasil: Por que executar esses estrangeiros e não deportá-los?
Karishma: Na Indonésia, como em vários outros países asiáticos, o tráfico de drogas é punível com a morte. Está na lei. Então, não importa se você é estrangeiro ou indonésio, a lei se aplica para todos. Este não é um crime pequeno na lei da Justiça, é um grande crime. Por que então eles diriam 'tudo bem, este cara pode voltar para casa e ser julgado em seu próprio país onde não há pena de morte'?

BBC Brasil: Por que uma medida tão dura - execução por fuzilamento - para traficantes de drogas?
Karishma: É resquício da última ditadura militar. É uma maneira bem brutal de executar as pessoas - não é só o fato de que é a pena de morte mas é execução por fuzilamento. A percepção é que se trata de um crime muito sério. Tem que se levar em conta que, apesar deste ser um país secular, é um país de maioria muçulmana.

Ser viciado em drogas é visto como um fracasso moral enorme e o fato é que há muitos jovens indonésios viciados. Tenho certeza que alguns dizem que são os estrangeiros que trazem as drogas para a Indonésia. E há uma ideia que é a influência da droga do Ocidente que está corrompendo os jovens. E esta é uma maneira que o presidente pode dizer que está lidando com o problema e tentando proteger o país.

Veja métodos de execução pelo mundo

Apedrejamento: mesmo sem estar no Alcorão, pena é usada por alguns países muçulmanos para punir adultério e conspiração. Foto: Reprodução/YoutubeApedrejamento: mulheres são enterradas até a altura do peito e homens, até a cintura, diz Artigo 102 do Código Penal do Irã. Fuga masculina é facilitada. Foto: Reprodução/YoutubeExecução pública: somente até fevereiro deste ano, entre 80 e 95 foram executados no Irã, segundo a ONU. Foto: Reprodução/YoutubeExecução pública: após aumento da violência, o Irã passou a promover as mortes de criminosos em um parque central de Teerã. Foto: Reprodução/YoutubeCaça às bruxas: em 2013, na Papua Nova Guiné, mulher foi torturada e queimada viva perante centenas de espectadores sob acusação de bruxaria. Foto: Reprodução/YoutubeCanibalismo tribal: os Kombai, na Nova Guiné, punem 'bruxos' - Khakhua-Kumu - com a morte e depois, comem seus restos mortais. Foto: Reprodução/YoutubeCanibalismo tribal: o ritual é uma resposta à crença de que os Khakhua-Kumu ingerem as almas de suas vítimas. Foto: Reprodução/YoutubeTrabalho infantil: Unicef estima que cerca de 150 milhões de crianças de 5 a 14 anos são obrigadas a trabalhar nos países em desenvolvimento. Foto: Reprodução/YoutubeTrabalho infantil: segundo a OIT, 7,4 milhões de crianças na mesma faixa etária estão envolvidas no trabalho doméstico. Foto: Reprodução/YoutubeTortura animal: corridas de touros na Espanha reúnem milhares para tortura de animal até sua morte. Foto: Wikimedia Commonsaté fevereiro de 2014, ao menos 125 milhões de mulheres podem ter sido mutiladas em 29 países na África e Oriente Médio, diz ONU. Foto: Reprodução/YoutubeSacrifício de animais: em aldeias como a Tana Toraja, Indonésia, acredita-se que, ao matar um animal, ele guiará a alma de um falecido ao paraíso. Foto: Reprodução/YoutubeSacrifício infantil: em 2008, mais de 300 casos de mortes e desaparecimentos ligados a rituais foram denunciados à polícia de Uganda, África, diz ONG. Foto: Reprodução/YoutubeSacrifício infantil: até 2009, vários pais e parentes foram detidos em Uganda acusados ​​de vender crianças para sacrifício humano. Foto: Reprodução/YoutubeAutomutilação: cerca de 200 milhões de muçulmanos xiitas no mundo celebram a Ashura em memória da morte de Imã Hussein, neto do profeta Maomé. Foto: Getty ImagesAutomutilação: xiitas iraquianos de todas as idades ficam cobertos de sangue enquanto participam da Ashura. Foto: Reuters

















 
 

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas