Pontífice fez declaração em seu discurso nas Filipinas. Vaticano tenta minimizar relatos de que ele é um alvo potencial dos extremistas islâmicos

 Após a visita de dois dias ao Sri Lanka, o papa Francisco conversou com os jornalistas - durante a viagem de avião até as Filipinas, nesta quinta-feira (15) e afirmou que ninguém deve ridicularizar a fé dos outros.

Conheça o humorista que a França tenta calar

Al-Qaeda no Iêmen reivindica ataque terrorista contra a Charlie Hebdo na França

 "Você não pode provocar e insultar a fé dos outros, você não pode zombar da fé. Não se pode fazer das religiões dos outros um brinquedo. Essas pessoas provocam e algo pode acontecer.

"Liberdade de expressão é um direito, mas também é um dever", disse o Pontífice se referindo aos ataques em Paris na última semana.

Liberdade de expressão não dá o direito de insultar o próximo, diz Papa
AP
Liberdade de expressão não dá o direito de insultar o próximo, diz Papa


 Porém, apesar de fazer uma crítica indireta aos chargistas do jornal francês Charlie Hebdo, vítimas de um atentado terrorista, o líder da Igreja Católica destacou que "não se mata em nome de Deus". Ele ainda disse que "o melhor modo para responder "os atentados é "ser humilde e não agressivo". Francisco ainda destacou que a "reação" de quem é insultado por sua fé nunca deve "ser a violência".

Jorge Mario Bergoglio disse aos jornalistas que também está preocupado com a "segurança dos fieis" que são perseguidos por extremistas de outras religiões, como ocorre na Síria e no Iraque. O líder ainda foi questionado sobre o uso de crianças para cometer atrocidades, como aconteceu nas últimas semanas quando o Boko Haram, na Nigéria, usou uma menina de 10 anos como kamikaze em um mercado.

Novo vídeo mostra fuga de terroristas após ataque a revista em Paris; assista

"Talvez seja uma falta de respeito, mas acredito que em cada ataque suicida há um desequilíbrio mental e humano, há qualquer coisa de errado com as pessoas, no sentido que acabam com sua própria vida e com a dos outros. Sim, o homem-bomba dá sua própria vida, mas não a dá direito. Os missionários, por exemplo, dão sua vida também, mas para construir. Quando se doa a vida para a destruição, tem algo de errado", destacou.

A etapa nas Filipinas de sua viagem asiática continua até a próxima segunda-feira (19).


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.