Papa Francisco é responsável por intermediar reaproximação de EUA e Cuba

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Barack Obama e Raúl Castro anunciaram retomada de diálogos em discursos transmitidos simultaneamente nesta quarta-feira

A reaproximação, após 52 anos, de EUA e Cuba já é uma promessa antiga de Barack Obama. E uma demanda de muitos países há décadas. No entanto, conforme uma autoridade da Casa Branca e o próprio líder cubano, Raúl Castro, revelaram, nesta quarta-feira (17), ela só ocorreu devido à interferência do papa Francisco no processo.

Reuters/Toby Melville
O papa Francisco fala ao lado do patriarca Bartolomeu: reaproximação teve sua influência

"Gostaria de reconhecer e agradecer, neste discurso, o papel do Vaticano e, especialmente, do papa Francisco nesta aproximação", disse Castro, citando a necessidade de o os obstáculos aos cubanos caírem para o bem dos dois países americanos. "Agradeço também o papel do Canadá neste processo."

Leia mais:
Barack Obama e Raúl Castro anunciam aproximação histórica entre Cuba e EUA

Conhecido pelos cubanos como "el bloqueo" (o bloqueio), o embargo norte-americano a Cuba foi uma medida adotada pelos EUA no auge da Guerra Fria que interditou totalmente a relação econômica, financeira e comercial entre os dois países, separados por uma fronteira marítima de apenas 535 km. A medida foi imposta no início dos anos 1960, depois do revolucionário e então recém-empossado líder cubano, Fidel Castro, iniciar uma aproximação com a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS), representada pela Rússia.

Após uma restrição inicial para a importação de açúcar cubano ao território norte-americano, instituída pelo então presidente dos EUA Dwight Eisenhower em 1960, John F. Kennedy ampliou as restrições para o grau máximo dois anos depois, suspendendo relações de nações anteriormente tão próximas – antes da Revolução Cubana que removeu a ditadura de Fulgencio Batista do poder, Cuba era conhecido como um "quintal dos EUA", onde empresários exploravam seus recursos e as elites passavam temporadas gastando dólares em seus cassinos e hotéis de luxo.

O presidente dos EUA, Barack Obama, anunciou nesta quarta-feira (17) uma série de mudanças nas relações entre o país e Cuba. Foto: AP Photo/Doug Mills, PoolO líder de Cuba, Raúl Castro, discursa sobre retomada das relações com os EUA, nesta quarta-feira. Foto: Youtube/ReproduçãoPresidente Barack Obama durante discurso no Salão Leste da Casa Branca em Washington, EUA . Foto: APEstados Unidos e Cuba não se relacionam desde 1962 -  obstáculos às relações econômicas foram adotados pelos EUA. Foto: AP Photo/SABC Pool, FileFotos mostra Alan Gross, ex-prisioneiro americano libertado por Cuba, chegando na Andrews Air Force Base. Foto: AP Photo/Sen. Jeff FlakeAlan Gross com sua esposa, Judy, antes de deixar Cuba. Foto: AP Photo/Sen. Jeff FlakeFoto de Alan Gross, prisioneiro americano libertado por Cuba. Foto: AP Photo/James L. Berenthal, FileAlan Gros, prisioneiro americano libertado por Cuba, e sua mulher, Judy Gross, em local desconhecido . Foto: AP Photo/Gross Family, File

Devido ao aumento da tensão por influência entre soviéticos e norte-americanos, em 1962 Cuba foi protagonista daquela que ficou conhecida como a Crise dos Mísseis. Em resposta à instalação de mísseis nucleares na Europa e à tentativa dos EUA de derrubarem Castro em Cuba, no ano anterior, os russos colocaram mísseis em território cubano apontados diretamente para os EUA em outubro.

Leia também:
Cuba liberta ex-espião e EUA anunciam mudanças na relação com a ilha
Espião libertado forneceu informações cruciais para processos contra cubanos

A tensão acabou levando os EUA a impor restrições para viagens de seus cidadãos ao país caribenho, bem como à restrição comercial total entre as nações-membro da Organização dos Estados Americanos (OEA) com os cubanos. Também colaborou para a assinatura do Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares, cujo objetivo foi conter a corrida armamentista mundial, em 1968.

O embargo total, no entanto, prosseguiu, com presidentes norte-americanos assinando continuamente sua prevalência ao longo dos anos. Entre eles, o próprio Barack Obama, eleito chefe do Poder Executivo do país em 2008 com a promessa de terminar com o longo bloqueio à nação caribenha, conhecida pelos mais diversos problemas sociais.

Leia tudo sobre: eua e cubaembargo econômicopapa francisco

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas