Polícia afirmou que o autor do sequestro, Man Haron Monis, está entre as vítimas fatais; 17 foram feitos reféns na ação

O sequestro em um café de Sydney, Austrália, acabou em tiroteio pesado nesta segunda-feira (15) – terça no horário australiano. De acordo com as agências de notícias internacionais, três pessoas morreram e quatro acabaram gravemente feridas.

Hoje: Polícia invade café onde suposto terrorista mantém reféns na Austrália

Mulher ferida é retirada de café após ter sido refém de suposto jihadista em Sydney, Austrália
AP
Mulher ferida é retirada de café após ter sido refém de suposto jihadista em Sydney, Austrália


Polícia: Sequestrador de Sydney é refugiado iraniano

Entre as vítimas fatais está o autor do sequestro, Man Haron Monis, de acordo com a polícia local. O  sequestro acabou depois de um grande número de policiais fortemente armados invadir o café onde um atirador mantinha um número desconhecido de pessoas.

Um porta-voz da polícia confirmou que "a operação acabou" nesta segunda (horário de Brasília), mas não divulgou mais detalhes.

Vítima: Brasileira estaria entre reféns de suposto ataque do EI em Sydney

Centenas de policiais, incluindo atiradores de elite, haviam se posicionado ao redor do Chocolate Cafe na área central de Sydney após um homem armado tomar o prédio às 10 da manhã desta segunda (18h de domingo no horário da Austrália). 

Imagens impressionantes divulgadas pela mídia australiana nesta segunda mostravam possíveis reféns com as mãos pressionadas contra as janelas do café. Eles estavam segurando uma bandeira preta com escrita árabe "Não há Deus além de Alá e Maomé é o profeta de Alá."

Terror: Polícia negocia com suposto terrorista a liberdade de reféns na Austrália

Suspeito

O suspeito de ter praticado o crime é um refugiado iraniano acusado de abuso sexual e conhecido por ter enviado cartas de ódio a familiares de soldados australianos mortos no exterior cujo nome é Haron Monis, de acordo com a polícia.

Cenário:  Saiba mais sobre o jihadismo pelo mundo

"Não há razão operacional para que o nome seja retido por nós agora", disse a fonte policial, que pediu para não ser identificada.

Brasileira

A brasileira Márcia Mikhael esteve entre os reféns, segundo informação de parentes. Ela é natural de Goiânia e mora na Austrália há cerca de 20 anos.

Essa informação chegou aos parentes por meio de duas mensagens postadas no perfil da brasileira no Facebook e foi confirmada por outros parentes que moram em Sydney. A informação não foi confirmada pelo Ministério das Relações Exteriores, que disse estar acompanhando o caso.

Segundo Adibe George Khuri, prima de Márcia, a brasileira tem três filhos, que estão na região do Café Lindt Chocolat, em Martin Place. Outra prima de Márcia Vanessa Fonseca afirmou que um irmão da brasileira também esteve na região do café acompanhando a operação desde o início.

A Secretaria de Assuntos Internacionais de Goiás informou que entrou em contato com o consulado brasileiro na Austrália.

*Com agências de notícias

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.