Número de imigrantes dos EUA no Brasil aumenta quase 70% em dez anos

Por Amanda Campos - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Entre 2000 e 2010, dobrou o número de nascidos nos EUA que migraram à América Latina e Caribe; México recebeu a maioria

O Brasil registrou aumento de 68,6% na entrada de imigrantes dos EUA de 2000 a 2010, de acordo com dados divulgados pela Cepal (Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe) no estudo "Tendências e padrões da imigração latino-americana e caribenha de 2010 e desafios para uma agenda regional".

2013: Senado dos EUA aprova reforma migratória; Câmara debaterá projeto de lei

Reuters
Simpatizantes de Barack Obama em frente à Casa Branca, Washington, após anúncio de novas medidas sobre a reforma migratória (20/11)


Emigrantes: Reforma migratória de Obama pode beneficiar 22 mil brasileiros

Segundo a entidade, o aumento de estadunidenses que se instalaram em países da América Latina e do Caribe dobrou nesses dez anos, que coincide com o período da crise econômica norte-americana.

No México, país que mais recebeu imigrantes dos EUA entre 2000 e 2010, 740 mil entradas foram registradas, aumento de 106%. Na República Dominicana, o crescimento foi de 712% com a chegada de 24,5 mil cidadãos. Na Argentina, o aumento foi de 81% e no Uruguai, de 93%.

Para Ana Luíza Matos de Oliveira, economista e analista de políticas sociais, a escolha da América Latina e Caribe como destino não se dá por acaso. Para ela, a Europa deixou de ser o principal destino dos norte-americanos após a crise mundial, o que tornou países em desenvolvimento, como o México e o Brasil, ainda mais atratativos.

"A Europa também vive reflexos da crise econômica, então não é mais uma opção viável aos americanos. Aqui no Brasil temos recebido imigrantes de várias nacionalidades porque lá [na Europa e EUA] o mercado de trabalho está difícil. Muitos chegam com a ideia de abrir seu próprio negócio, por exemplo", afirmou.

EUA: 'Cidade fantasma' atrai imigrantes em busca de espírito empreendedor

Apesar de as porcentagens parecerem expressivas, porém, esses números não são considerados altos, se comparados ao fluxo de latinos que continuam deixando seus países de origem para viver nos EUA, de acordo com Geraldo Zahran, professor de relações internacionais da PUC-SP e coordenador do observatório político dos EUA no Brasil.

"Esse não é um número tão grande, se pensarmos nas pessoas que chegam todos os anos nos EUA. E essa movimentação é reflexo das crises tanto na América Latina quanto na América do Norte", analisou.

Após anúncio de Obama: Brasileiro nos EUA sonha reencontrar mãe 12 anos depois

Fluxo contrário

Na contramão dos estadunidenses, aproximadamente 28,5 milhões de latino-americanos e caribenhos, 4% da população local, emigraram, de acordo com a Cepal. Desses, 70% escolheram a nação norte-americana para fixar residência.

Veja fotos de ações contra imigrantes pelo mundo


Qaiser Parvez, imigrantes paquistanês que vive na Grécia há mais de 10 anos, lê pôster antifascista
. Foto: NYT
Imigrante legal na Grécia, o paquistanês Mohammed Irfan (D) conta como grupos armados ameaçaram ele e outros estrangeiros
. Foto: NYTImigrante procedente do Quênia, Omar foi criado por família grega em Atenas. Foto: NYTImigrante africana vende bolsas em Atenas, capital da Grécia. Foto: NYTMembros do partido Amanhecer Dourado levantam mãos em saudação similar à nazista, durante manifestação em Atenas. Foto: NYTCamiseta é feita com logo do partido Aurora Dourada. Foto: NYT

Novembro: Republicanos criticam regularização de imigrantes anunciada por Obama

A maior parte dos emigrantes saiu do México: 11,8 milhões – 40% do total – seguido por 2 milhões de colombianos e 1,3 milhão de salvadorenhos. Depois dos EUA, o segundo país a receber mais latino-americanos e caribenhos é a Espanha, destino de 2,4 milhões deles.

O fluxo de pessoas não diminuiu, porém, barreiras políticas para impedir a circulação dos imigrantes. E é esse tipo de medida que ajuda a aumentar a ilegalidade e condições precárias de vida e trabalho no exterior, aponta Geraldo Zahran.

Ao analisar a situação dos EUA, o professor de relações internacionais avalia que apesar de o presidente Barack Obama ter anunciado a reforma migratória que beneficiaria até 3,85 milhões de imigrantes irregulares nos EUA, a imposição de barreiras para impedir a circulação interna é um problema que agrava essa situação.

"Esse fluxo de pessoas tem a ver um pouco com o aumento da repressão nos EUA nos últimos anos, onde há Estados que passaram a restringir suas políticas de imigração colocando cercas nas fronteiras, por exemplo", disse ele.

Reforma migratória nos EUA

No dia 20 de novembro, Obama apresentou plano de reforma migratória que deve permitir aos que vivem ilegalmente nos EUA há cinco anos e aos que têm filhos nascidos ou residentes em solo americano a solicitação de permissões de trabalho, entre outros.

Caso seja aprovada, a medida visa a submeter os imigrantes a controles como registro criminal e pagamento de impostos enquanto eles solicitam visto permanente. A ação pode beneficiar até 22 mil brasileiros entre os 3,85 milhões de imigrantes irregulares que devem ser beneficiados, conforme dados do instituto Pew Research Center divulgados pela BBC.

Ana Luíza acredita que a aprovação dessa lei pode aumentar ainda mais o fluxo de emigração aos EUA. "Já há levantamentos não-oficiais que apontam essa tendência. Mas ainda é cedo para apontarmos dados sobre esse novo fluxo", garantiu a economista e analista de políticas sociais.

Antes da medida, 11% dos mexicanos irregulares no país estavam protegidos por programas prévios de suspensão da deportação. Agora, essa porcentagem subiu para 55%, o que equivale a 3,2 milhões. Entre os brasileiros, cuja população irregular nos EUA soma cerca de 100 mil pessoas, segundo o Pew, 22% estão entre as que podem ficar livres da deportação pela nova reforma de Obama.

Leia tudo sobre: euaobamacepalmexicoimigrantes

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas