Explosões no leste da Ucrânia ameaçam cessar-fogo

Por BBC |

compartilhe

Tamanho do texto

Uma série de explosões ocorridas na cidade de Mariupol, no leste da Ucrânia, ameaça pôr fim ao cessar-fogo

BBC

Uma série de explosões na cidade de Mariupol, no leste da Ucrânia, ameaça acabar com o cessar-fogo assinado há pouco mais de um dia pelo governo ucraniano e rebeldes separatistas pró-Rússia.

AFP
Bombardeios foram ouvidos na cidade de Mariupol, trégua foi assinada entre governo ucraniano e rebeldes separatistas pró-Rússia


Mais cedo, os presidentes da Ucrânia, Petro Poroshenko, e da Rússia, Vladimir Putin, afirmaram que a trégua na região estava "em grande parte, sendo mantida".

A Cruz Vermelha afirmou que caminhões de ajuda humanitária que se dirigiam à cidade rebelde Luhanks tiveram de retornar por causa dos bombardeios.

O acordo do cessar-fogo foi assinado em meio a negociações entre representantes da Ucrânia, da Rússia da Organização para Segurança e Cooperação da Europa (OCDE) e rebeldes separatistas pró-Rússia. A trégua passou a vigorar na sexta-feira a partir das 12h de Brasília.

Não houve relatos de grandes confrontos no leste do país pelas primeiras 24 horas, mas na noite de Sábado a reportagem da BBC ouviu novos bombardeios em Mariupol.

Houve explosões no extremo leste da cidade, próximo a postos de controle do governo e confrontos entre as duas partes envolvidas no conflito, acrescentou o repórter da BBC na região, Fergal Keane.

No entanto, nas primeiras horas de domingo (sábado à noite no Brasil), os bombardeios parecem ter cessado.

Ainda não se sabe qual será o impacto dos bombardeios na manutenção da trégua.

Ajuda humanitária

Cerca de 2,6 mil pessoas já morreram nos confrontos após rebeldes pró-Rússia terem tomado o controle das regiões de Donestsk e Luhanks, ambas no leste da Ucrânia, em abril – um mês depois da anexação península da Crimeia pela Rússia.

A Rússia vem negando repetidamente as acusações feitas pela Ucrânia e pelo Ocidente de que está enviando tropas à Ucrânia para ajudar os rebeldes.

Mais cedo, Poroshenko e Putin falaram por telefone neste sábado e discutiram quais passos vão tomar para consolidar o cessar-fogo.

Os dois líderes também discutiram formas de cooperação para permitir a chegada de ajuda humanitária à região.

Segundo o porta-voz do Conselho de Defesa e Segurança Nacional da Ucrânia, Andriy Lysenko, rebeldes dispararam 10 vezes contra tropas ucranianas desde que a trégua foi firmada.

Relatos ainda não confirmados apontam que militares ucranianos sofreram uma emboscada e foram mortos após o cessar-fogo.

O líder rebelde da auto-proclamada República Popular de Donetsk, Aleksandr Zakharchenko, afirmou que a trégua "não estava sendo cumprida" e que rebeldes haviam sido vítimas de bombardeios na cidade de Amvrosiyivka, perto de Donetsk.

Leia tudo sobre: ucrâniacessar-fogoconflito

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas