Netanyahu afirma que palestinos estão usando civis como "escudos humanos" contra a campanha do exército israelense

O primeiro ministro de Israel Benjamin Netanyahu afirmou neste domingo (27) ter percebido que a opinião mundial pode ter se deslocado como consequência das morte de civis palestinos, mas ressaltou que a batalha de relações públicas não pode substituir a segurança de Israel.

Por feriado muçulmano: Hamas anuncia trégua de 24 horas em Gaza

Primeiro-ministro de Israel acusa Hamas de violar seu próprio anúncio de trégua

Primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, durante entrevista em 1 de julho
AP
Primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, durante entrevista em 1 de julho

Sábado: Número de mortos em Gaza passa de mil; Israel tem 42 mortos

Netanyahu disse no programa “Face the Nation” da rede CBS que palestinos estão usando civis no que ele chama de “escudos humanos” contra a campanha do exército israelense em Gaza. Ele afirmou ainda que os esforços em garantir a segurança de Israel  não serão rendidos apesar da crescente preocupação com a força letal que está nas mãos de Israel.

Netanyahu insistiu que Israel não tem civis como alvo os civis, mas acusou o Hamas de querer acumular corpos não-militares . Para ele, o Hamas deve ser desacreditada e desarmado.

Saiba mais: Entenda o atual conflito entre Israel e Hamas

Os 20 dias de guerra mataram mais de 1.060 palestinos, em sua maioria civis, e deixaram quase 6 mil feridos, de acordo com funcionários de saúde palestinos. Israel perdeu 43 soldados. Dois civis israelenses e um trabalhador tailandês foram mortos por ataques de foguete e morteiro lançados de Gaza.

Sexta: Ataque de Israel mata 20 palestinos da mesma família

O presidente da Autoridade Palestina, Mahmud Abbas, está formando uma delegação que se dirigirá para a capital egípcia, Cairo, para se engajar em mais diplomacia no conflito, disse à CNN Mohammad Shtayyeh, um conselheiro graduado de Abbas.

Veja também: Leia todas as notícias sobre o conflito entre Israel e o Hamas

O Hamas anunciou a trégua um dia depois de ter rejeitado uma oferta de Israel na noite de sábado (26), disparando mais foguetes contra o país. Em resposta, o Exército israelense retomou as operações no território palestino .

Israel lançou uma grande campanha aérea em Gaza em 8 de julho e, posteriormente, enviou soldados para o território controlado pelo grupo militante Hamas, em uma operação que, diz, tem o objetivo de impedir o lançamento de foguetes contra seu território e de destruir tunéis usados por militantes para atravessar em direção a Israel e lançar ataques.

Até agora, o Exército descobriu 31 túneis e destruiu metade deles. Desde 8 de julho, os militantes lançaram cerca de 2,5 mil foguetes contra Israel.

* Com AP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.