Dinheiro seria usado para treinar e armar membros da oposição a Assad. Guerra civil síria alimenta insurgência sunita no Iraque

O presidente americano, Barack Obama, pediu ao Congresso nesta quinta-feira US$ 500 milhões para treinar e armar membros da oposição síria, enquanto os EUA tentam encontrar com dificuldade uma forma de parar uma guerra civil que também alimentou a insurgência inspirada na Al-Qaeda no vizinho Iraque .

Milícia sunita: Entenda o que é Estado Islâmico do Iraque e do Levante

Sírios inspecionam local destruído por ataque aéreo das forças de Assad em Karm al-Jabal, em Aleppo, Síria
AP
Sírios inspecionam local destruído por ataque aéreo das forças de Assad em Karm al-Jabal, em Aleppo, Síria

O programa de treinamento militar aprofundaria o envolvimento do governo Obama no conflito de mais de três anos entre rebeldes e forças leais ao presidente sírio, Bashar al-Assad . Se aprovado pelo Congresso, o programa forneceria um sistema secreto de treinamento e assistência dirigido pelas agências de inteligência americanas.

Efeito: Onda de refugiados sírios pressiona tecido social e econômico de vizinhos

O programa sírio faz parte de um pedido de US$ 65,8 bilhões para operações mais amplas no exterior enviado ao Congresso nesta quinta. O pacote inclui US$ 1 bilhão para estabilizar nações na fronteira da Síria que sofrem com os efeitos da guerra civil. Também formaliza um pedido para US$ 1 bilhão previamente anunciado para fortalecer a presença dos EUA no centro e leste da Europa em meio às ameaças de movimentos da Rússia na Ucrânia .

Os pedidos surgem enquanto Obama enfrenta novas críticas sobre suas políticas na Síria, que alguns oponentes da Casa Branca dizem ter permitido o fortalecimento da insurgência sunita que pressiona o Iraque. Autoridades dos EUA cada vez mais veem a instabilidade na Síria e no Iraque com um único desafio, com a fronteira entre os dois países cada vez mais indefinida.

Hoje: Premiê confirma ataque aéreo sírio contra extremistas do EIIL no Iraque

Obama indicou no início deste ano que buscava formas para aumentar a assistência aos rebeldes moderados da Síria que enfrentam dificuldades para obter ganhos em seus confrontos contra as forças de Assad.

Autoridades disseram que o governo coordenaria com o Congresso e players regionais sobre os tipos específicos de treinamento e assistência que os EUA dariam à oposição. Uma opção potencial seria posicionar oficiais americanos na Jordânia e conduzir o treinamento ali.

*Com AP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.