'Hackers' derrubam sites da Otan em meio à tensão na Crimeia

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Grupo 'cyber-berkut' diz que ataques cibernéticos foram feitos por 'ucranianos patriotas'. Parte dos serviços já foi restaurado

Reuters

Hackers derrubaram vários sites públicos da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), disse a aliança neste domingo (16), no que parece ser a mais recente escalada cibernética devido às tensões crescentes sobre a Crimeia.

Crise ucraniana: Otan manda aviões e monitora fronteiras da Ucrânia

Reuters
Chanceleres da Otan se reúnem em Bruxelas, Bélgica (arquivo)


Ontem: Rússia veta resolução da ONU contra referendo na Crimeia

A porta-voz da aliança ocidental, Oana Lungescu, disse no Twitter que os ciberataques, que começaram na noite de sábado (15), continuaram neste domingo, embora a maioria dos serviços já tenha sido restaurado, agora.

"Isso não impede a nossa capacidade de comandar e controlar nossas tropas. Em momento algum houve qualquer risco para nossas redes confidenciais", disse outro funcionário da Otan.

O principal site público da Otan que publicou uma declaração do secretário-geral Anders Fogh Rasmussen dizendo que o referendo de domingo sobre o status da Crimeia violaria o direito internacional e não tinha legitimidade, funcionou de forma intermitente.

O chamado ataque DDoS - "negação distribuída de serviço", quando hackers bombardeiam sites com solicitações que fazem com que eles fiquem lentos ou caiam, também atingiu o site de um centro de segurança cibernética, uma afiliada da Otan, na Estônia. A rede de e-mails não-confidenciais da Otan também foi afetada.

Hoje: Crimeia inicia referendo sobre anexação à Rússia

Um grupo que se autodenomina "cyber-berkut" disse que o ataque foi realizado por ucranianos patrióticos, irritados com o que eles consideram uma interferência da Otan no seu país. A reivindicação feita no site www.cyber-berkut.org não pode ser verificada de forma independente. "Berkut" é uma referência às temidas e atualmente desfeitas, tropas de choque, usadas pelo governo deposto do presidente ucraniano pró-Rússia, Viktor Yanukovich.

Confira galeria de fotos sobre a ocupação da Rússia na Crimeia

Comboio de caminhões brancos com ajuda humanitária deixa Alabino, nos arredores de Moscou, Rússia (12/08). Foto: APManifestante ao lado de transeuntes na Praça da Independência em Kiev (9/08). Foto: ReutersManifestante segura coquetel molotov enquanto tenta impedir que trabalhadores municipais e voluntários limpem barricadas em Kiev (9/08). Foto: ReutersMembro de equipe antibomba inspeciona cratera com os restos de um projétil depois de uma noite de combates em Donetsk, Ucrânia (6/08). Foto: APMulher deixa prédio danificado por suposto bombardeio levando seus pertences na área central de Donetsk, Ucrânia (29/07). Foto: ReutersRebeldes pró-Rússia em um tanque com a bandeira da Rússia em uma estrada a leste de Donetsk, Ucrânia (21/07). Foto: APPrimeiro-ministro ucraniano Arseniy Yatsenyuk, à dir., conversa com um oficial durante inspecção ao Exército fora da cidade de Slovyansk, Ucrânia (16/07). Foto: APPremiê ucraniano, Arseniy Yatsenyuk (E), cumprimenta soldado ao inspecionar tropas em Slovyansk, leste da Ucrânia (16/07). Foto: APMulher chora perto de prédio que desmoronou após ataque aéreo em Snizhne, a 100 km a leste da cidade de Donetsk, no leste da Ucrânia (15/07). Foto: APCombatente da República Popular de Donetsk se despede de sua família, que deixa essa cidade no leste da Ucrânia para refugiar-se na Rússia (14/07). Foto: APCombatentes separatistas pró-russos esperam atrás de sacos de areia em posto de controle em Donetsk, Ucrânia (10/07). Foto: ReutersMilitares ucranianos perto das armas apreendidas de separatistas pró-russos perto Slaviansk, Ucrânia (8/07). Foto: ReutersMilitante mascarado pró-Rússia organiza o trânsito em posto de controle após ataque das tropas ucranianas em Slovyansk (24/4). Foto: APAtiradores mascarados pró-Rússia guardam entrada de escritório regional ucraniano do Serviço de Segurança em Luhansk com bandeira russa ao fundo (21/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia guarda barricada em prédio da administração regional capturado em Donetsk. Cartaz diz: 'EUA, tirem as mãos do leste da Ucrânia' (19/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia olha para o lado de fora de janela em prédio da administração regional de Donetsk, Ucrânia (18/4). Foto: APAtirador pró-Rússia abre caminho para veículo de combate com homens armados em seu topo em Slovyansk, Ucrânia (16/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia guarda barricada em prédio da administração regional em Donetsk, Ucrânia (15/4). Foto: APAtivista pró-Rússia é visto durante invasão de delegacia na cidade de Horlivka, leste da Ucrânia (14/4). Foto: APAtivistas armados pró-Rússia ocupam a delegacia de polícia no leste da Ucrânia, na cidade de Slaviansk (12/04). Foto: APAtivistas pró-Rússia ocupam delegacia de polícia e constroem uma barricada na cidade ucraniana oriental de Slovyansk (12/04). Foto: APHomens armados não identificados caminham em área perto de unidade militar ucraniana em Simferopol, Crimeia (18/3). Foto: APSoldado armado, provavelmente russo, anda perto de uma base militar ucraniana na aldeia de Perevalnoye (9/3). Foto: ReutersUm homem armado, que se acredita ser um soldado russo, anda perto da base naval ucraniana na Crimeia, no porto de Yevpatory (8/3). Foto: ReutersMarinheiro observa navio inativo Ochakov, que foi afundado por tropas russas e bloqueou o tráfego de cinco embarcações ucranianas em Myrnyi, oeste da Crimeia, Ucrânia (6/3). Foto: APCriança brinca perto de soldado russo (D) enquanto soldados ucranianos observam do outro lado do portão de base em Perevalne, Crimeia (4/3). Foto: APSoldado pró-Rússia bloqueia base naval na vila de Novoozerne, Crimeia, na Ucrânia (3/3). Foto: APGrupo de homens armados sem emblemas em uniformes cortam luz do Quartel-General das forças navais ucranianas em Sevastopol, Crimeia, Ucrânia (2/3). Foto: APComboio russo se move de Sevastopol para Sinferopol na Crimeia, Ucrânia (2/3). Foto: APHomem com uniforme sem identificação monta guarda enquanto tropas tomam controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, em Sevastopol (Crimeia), na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda em Balaklava, nos arredores de Sevastopol, na ucraniana Península da Crimeia (1/3)
. Foto: APEmblema em veículo e placas de outros carros indicam que tropas são do Exército russo (1/3). Foto: APHomens armados não identificados e vestidos com uniformes de camuflagem bloqueiam a entrada do prédio do Parlamento da Crimeia em Simferopol, Ucrânia (1/3). Foto: APHomens armados não identificados bloqueiam entrada de Parlamento da Crimeia em Simferopol, Ucrânia (1/3). Foto: APHomem armado não identificado com uniforme de camuflagem bloqueia estrada que leva a aeroporto militar em Sevastopol, na Crimeia. Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda durante tomada de controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, Crimeia, na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda durante tomada de controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, Crimeia, na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda nos arredores de Sevastopol, na ucraniana Crimeia. Foto: APHomem com uniforme sem identificação patrula aeroporto de Simferopol, na Ucrânia (28/2). Foto: AP

Entenda: Quais são as motivações da Rússia na crise da Ucrânia?

O especialista em guerras cibernéticas, Jeffrey Carr, descreveu em um blog sobre os ataques, o grupo cyber-berkut, como convicto defensor de Yanukovich e um "grupo ‘hacktivista' (hackers ativistas) pró-Russia, que está trabalhando contra a independência da Ucrânia."

Lungescu tomou conhecimento da declaração do "grupo de hacktivistas" mas disse que devido às complexidades envolvidas em atribuir os ataques, a OTAN não pretendia especular sobre quem foi o responsável ou seus motivos.

"Cutando Areia"

John Bumagarner, diretor de tecnologia da Unidade de Consequências Cibernéticas dos EUA, um instituto de pesquisa, sem fins lucrativos, disse que a evidência inicial sugere fortemente que esses ataques cibernéticos foram lançados por simpatizantes pró-russos.

"Podemos equiparar esses ataques cibernéticos contra a Otan como jogar areia no rosto de alguém na praia," ele disse.

Ataques cibernéticos aos sistemas de computação da Otan são comuns, mas um funcionário da Otan, que falou sob a condição de anonimato no domingo, disse que esse tinha sido um sério ataque online. Ian West, diretor do centro de defesa cibernética da OTAN em Mons no sul da Bélgica, disse no ano passado que os sistemas de detecção de invasão de rede da OTAN, lidam com cerca de 147 milhões de "eventos suspeitos" diariamente, e teve cerca de 2.500 ataques sérios aos seus computadores confirmados no ano passado.

A tensão entre Moscou e o Ocidente vem aumentando continuamente, desde que a Rússia interveio, depois da expulsão de Yanukovich. Sites ucranianos e russos tem sido alvo de ataques cibernéticos nas últimas semanas e esse parece ter sido o primeiro grande ataque a um site ocidental desde o início da crise.

Suspeita-se que hackers russos usaram ataques DDoS para paralisar sites e serviços na Estônia em 2007, durante uma disputa sobre um memorial de guerra e contra a Georgia, durante a sua breve guerra com e Rússia, em 2008. Moscou negou ter orquestrados esses ataques, dizendo que eles foram simplesmente realizados por patriotas independentes.

O cyber-berkut, que alguns especialistas acreditam que podem ser associados à inteligência russa, publicou seu comunicado em russo em vez de em ucraniano.

Leia tudo sobre: otanhackercrimeiarussiarussia na crimeiaataque ciberneticobumagarneryanukovych

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas