Merkel cobra explicações de Obama sobre suspeita de espionagem dos EUA

Por Reuters | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Governo alemão obteve informações de que o telefone celular da chanceler teria sido alvo de grampo; EUA negam

Reuters

O governo alemão obteve informação de que os Estados Unidos podem ter monitorado o telefone celular da chanceler Angela Merkel, e ela telefonou nesta quarta-feira para o presidente norte-americano, Barack Obama, para pedir esclarecimento imediato, disse um porta-voz do governo alemão.

Conheça a nova home do Último Segundo

Suspeita: Telefones da França foram alvo de espionagem dos EUA

O porta-voz da Casa Branca, Jay Carney, disse que Obama garantiu a Merkel que os EUA não estavam monitorando as comunicações da chanceler.

Reuters
Obama garantiu a Merkel que os EUA não estavam monitorando seu telefone celular

Mas a declaração contundente feita pelo porta-voz de Merkel sugeriu que a Alemanha não estava totalmente satisfeita. Ele exigiu um esclarecimento "imediato e abrangente" das práticas de vigilância dos EUA.

"Ela (Merkel) deixou claro que considera essas práticas, se verdadeiras, totalmente inaceitáveis ​​e condena de forma inequívoca", dizia a declaração.

"Entre amigos e parceiros próximos, como Alemanha e EUA têm sido ao longo de décadas, não deve haver tal monitoramento das comunicações de um líder de governo. Isso seria uma grave quebra de confiança. Tais práticas devem ser imediatamente interrompidas."

Denúncias pelo vazamento de Snowden:
Brasil: Leia todas as notícias sobre a espionagem no Brasil
Bild: Espionagem alemã usou dados de monitoramento dos EUA
Monitoramento: EUA mantêm ampla base de dados telefônicos
Prism: EUA coletam dados de nove empresas de internet
Jornal: EUA podem usar dados de inteligência sem mandado
Anfitrião: Reino Unido espionou autoridades do G20 em 2009
Guerra cibernética: EUA espionam computadores da China
Diplomatas: Europa exige respostas sobre supostos grampos dos EUA

A notícia foi divulgada depois que o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, enfrentou durante uma visita a Roma novos questionamentos sobre a espionagem em massa de aliados europeus, com base em revelações de Edward Snowden, o ex-agente de inteligência norte-americano asilado na Rússia.

O presidente francês, François Hollande, está pressionando para que a questão da espionagem dos EUA seja colocada na agenda de um fórum de líderes europeus que começa na quinta-feira. O jornal francês Le Monde informou no início desta semana que a Agência de Segurança Nacional norte-americana (NSA, na sigla em inglês) havia recolhido dezenas de milhares de registros telefônicos de franceses.

Há apenas quatro meses, Obama defendeu as táticas antiterrorismo dos EUA em uma visita a Berlim, dizendo aos alemães em uma entrevista coletiva com Merkel que os Estados Unidos não estavam espionando cidadãos comuns.

Revelações antes dessa viagem, sobre um programa secreto norte-americano de vigilância da Internet chamado Prism, causaram indignação na Alemanha, onde as memórias da espionagem da polícia secreta na Alemanha Oriental ainda estão vivas.

Leia tudo sobre: angela merkelbarack obamaeuaalemanhaespionagem dos eua

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas