Papa visita terra de São Francisco e pede que Igreja se abstenha de vaidade

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Em missa, pontífice volta a falar do naufrágio na ilha de Lampedusa, no qual estima-se que mais de 300 morreram

Reuters

A Igreja Católica, do sacerdote mais modesto ao próprio pontífice, deve se livrar de toda "vaidade, arrogância e orgulho" e servir humildemente os membros mais pobres da sociedade, disse o papa Francisco nesta sexta-feira (4).

Na quinta: Naufrágio na Itália 'é uma vergonha', diz papa Francisco

AP
Papa Francisco acena para os fiéis na praça perto da Barsílica de São Francisco, em Assis, Itália

Ravasi: 'Jesus Cristo foi o primeiro a tuitar', diz autoridade do Vaticano

Análise: Papa Francisco quer criar uma 'Cruz Vermelha' espiritual

O apelo do papa, feito na cidade de Assis, no centro da Itália, onde seu homônimo São Francisco viveu no século 12, foi feito em meio a um esforço de Francisco de mudar a visão de uma Igreja assolada por escândalos financeiros e abusos sexuais.

São Francisco é reverenciado pelos católicos e por muitos outros cristãos por sua simplicidade, pobreza e amor à natureza - qualidades que o argentino Francisco usa para dar o tom a seu papado desde a eleição em março.

"Essa é uma boa ocasião para convidar a Igreja a se livrar do materialismo", disse o papa em um aposento que marca o lugar onde São Francisco despiu-se quando jovem, renunciando à riqueza de sua família, e resolveu servir os pobres.

Papa: Francisco critica obsessão da Igreja com aborto e casamento gay

El País: Aproximação do papa com Teologia da Libertação preocupa Opus Dei

"Há um perigo que ameaça qualquer um na Igreja, todos nós. O perigo do materialismo. Nos leva à vaidade, à arrogância e ao orgulho", disse Francisco no aposento ricamente adornado com afrescos da residência do arcebispo de Assis.

Como vem fazendo frequentemente, Francisco falou de improviso depois de deixar de lado versões preparadas de dois discursos, claramente sensibilizado pelos pobres e doentes no aposento.

Francisco levou um novo estilo de abertura, consulta e simplicidade ao Vaticano. Poucos dias depois de sua eleição, ele disse que queria ver "uma Igreja que é pobre e para os pobres".

Francisco: Papa pede que muçulmanos e cristãos promovam respeito

Mundo árabe: Em apelo por paz na Síria, papa pede fim de 'espiral da morte'

Ele evitou os espaçosos apartamentos papais em troca de alojamentos espartanos na hospedaria do Vaticano, e pediu a todos os membros do clero, independentemente do cargo, que rejeitassem o conforto e saíssem entre os pobres e os necessitados.

Francisco disse que todos os membros da Igreja, incluindo bispos, cardeais e o próprio papa, têm que evitar as armadilhas de dar importância a coisas mundanas e ser mais humildes. "O materialismo nos traz vaidade, arrogância, orgulho e esses são ídolos... Todos nós precisamos nos livrar desse materialismo", disse.

Vaticano: Papa reforça medidas contra corrupção e lavagem de dinheiro

Papa: 'Gays não devem ser julgados ou marginalizados pela sociedade'

Francisco, o primeiro papa não europeu em 1,3 mil anos e o primeiro da América Latina, formou três comitês para assessorá-lo na missão de tornar o Vaticano mais transparente, principalmente com relação a suas transações financeiras.

AP
Pope Francis leads a mass in front of St. Francis Basilica in Assisi, Italy

Ele também disse que conventos e monastérios católicos vazios deveriam ser abertos para abrigar imigrantes e refugiados.

O papa condenou um mundo "que não se importa com tantas pessoas que têm que fugir da pobreza e da fome, fugir em busca de liberdade e muitas vezes encontrar a morte, como aconteceu ontem em Lampedusa".

Em missa inaugural: Papa Francisco pede proteção aos pobres

Francisco se referia ao naufrágio de um barco imigrante na ilha de Lampedusa, ao sul da Itália, na quinta-feira, no qual mais de 300 pessoas podem ter morrido. "Hoje é um dia para lamentar", disse Francisco sobre a tragédia.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas