Maduro diz que cancelou viagem à ONU por temer atentado

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Presidente diz que foi alvo de 'provocações' e que não foi à Assembleia Geral para preservar sua 'integridade física'

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, não discursou na tarde de quarta-feira (25) na Assembleia Geral da ONU, como estava previsto. Segundo o jornal venezuelano El Universal, o líder não deu muitos detalhes para o motivo de sua ausência, mas garantiu, em discurso transmitido em cadeia nacional, que foi alvo de "provocações" graves.

Giro: Acordos entre China e Venezuela sugerem controle de Pequim

AP
Presidente da Venezuela Nicolás Maduro faz gesto no Palácio Presidencial Miraflores em Caracas

Economia: Líder da Venezuela cria órgão para lutar contra 'sabotagem'

Crise: Governo vê 'golpe elétrico' da oposição em apagão na Venezuela

Maduro sugeriu que evitou viajar para Nova York, onde fica a sede da ONU, para "preservar sua integridade física", que estaria comprometida caso fosse à Assembleia Geral. "Tinham preparado uma provocação. Um plano louco", indicou. "Havia duas provocações contra mim em Nova York. Eram graves, uma mais grave que a outra."

De acordo com o presidente, o governo dos EUA possuía conhecimento sobre essas "provocações" e indicou o envolvimento de Roger Noriega, subsecretário de Estado para Assuntos do Hemisfério Ocidental do Departamento de Estado do governo Bush, e Otto Reich, ex-embaixador do país em Caracas.

Problemas: Maduro pedirá poderes especiais para combater corrupção

Com escassez: Carros usados saem mais caros que novos na Venezuela

O presidente disse que um dos "planos" pretendia provocar um episódio violento em Nova York para depois colocar a culpa na Venezuela.

O líder venezuelando caracterizou o compromisso na ONU como um "objetivo secundário" e que, portanto, o ministro das Relações Exteriores do país, Elías Jaua, seria o representante na Assembleia Geral das Nações Unidas.

Zulia: Estado venezuelano estuda sistema para limitar compra de alimentos

Maduro, que retornava de uma viagem a China, também afirmou que usou uma aeronave cubana em seu giro de quatro dias em Pequim, pois teve que enviar seu avião presidencial a AirBus, na França, para reparos mecânicos.

O presidente disse que seu avião passou cinco meses por uma revisão intensa na AirBus e, mesmo assim, "teve uma falha muito grave na asa, mas não vou dar detalhes. Só que é muito grave". Ele indicou também que vai aguardar um grupo de técnicos e peritos fazerem um exame no avião presidencial para entrar com uma ação legal contra a AirBus por causa do problema.

Leia tudo sobre: madurovenezuelaassembleia geral 2013onueua

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas