Político chinês Bo Xilai é condenado a prisão perpétua por corrupção

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Político estava em ascensão até deposição por escândalo que envolveu assassinato de britânico por sua mulher

Reuters

Um tribunal chinês condenou o político Bo Xilai à prisão perpétua no domingo (22), depois de julgá-lo culpado de corrupção e abuso de poder, uma sentença rigorosa que lhe dá pouca chances de retornar à vida política.

O caso: China processa por corrupção Bo Xilai, ex-estrela política do Partido Comunista

'Inocente': Bo Xilai nega acusação de suborno em tribunal na China

AP
Bo Xilai comparece a julgamento Bo na província de Shandong, leste da China


Bo era uma estrela em ascensão nos círculos de liderança da China e cultivava um público fiel por meio de suas políticas carismáticas e populistas, especialmente entre aqueles marginalizados pelas políticas pró-crescimento da China.

Mas sua carreira foi interrompida no ano passado por um escândalo de assassinato, no qual sua esposa, Gu Kailai, foi condenada por envenenar um empresário britânico, Neil Heywood, um amigo da família.

Embora Bo tenha o direito de recorrer no prazo de 10 dias a partir de segunda-feira, a sentença efetivamente põe fim às suas ambições políticas e ao estilo de vida glamuroso de que gozava como um membro da elite dominante da China.

Prisão perpétua: Mulher de Bo Xilai é condenada à morte, mas evita a execução

WSJ: Britânico morto na China por mulher de Bo Xilai seria espião do MI6

O tribunal da cidade de Jinan, onde Bo foi julgado, ordenou que todos os seus bens pessoais sejam apreendidos, e o privou de seus direitos políticos pelo resto de sua vida, de acordo com uma transcrição divulgada pelo microblog oficial do tribunal.

"Bo Xilai era um funcionário do Estado, ele abusou de seu poder, causando enormes prejuízos para o país e para o seu povo. As circunstâncias eram especialmente graves", disse o tribunal.

Xi Jinping: Queda de Bo Xilai ajuda ascensão de vice chinês ao poder

2012: Bo Xilai é expulso do Partido Comunista Chinês

A mídia estatal informou que provavelmente ele deverá recorrer. Neste caso, a Suprema Corte, na província de Shandong, onde fica Jinan, teria de ouvir o caso em um prazo de dois meses. Como todos os tribunais são parcialmente controlados, é pouco provável que o veredicto seja derrubado.

Bo poderia ter sido condenado à pena de morte, mas muitos observadores avaliavam que isso seria improvável, já que o Estado não iria querer fazer dele um mártir.

A defesa agressiva de Bo em seu julgamento de cinco dias não o beneficiou, segundo Zhang Ming, professor da Universidade Renmin, em Pequim. "Minha previsão era para menor (pena)", disse ele. "Sua negação de culpa levou a uma sentença mais longa. "

O tribunal mostrou uma foto de um Bo algemado, com os punhos cerrados em uma aparente demostração de desafio, cercado por dois policiais enormes que lhe seguravam os ombros e antebraços.

No final do julgamento de Bo, no mês passado, promotores pediram uma pena pesada. O tribunal rejeitou a defesa de Bo quase totalmente, com pequenas exceções, como a parte relacionada às despesas de viagem de sua esposa e seu filho, Bo Guagua, que teriam sido pagas pelo empresário Xu Ming.

O tribunal também rejeitou as alegações de ele estaria "sob pressão psicológica" quando inicialmente admitiu aos investigadores anticorrupção do Partido Comunista que havia recebido propina.


Leia tudo sobre: ChinaBo XilaiPartido Comunista Chinês

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas