Níveis de radiação em Fukushima são '18 vezes maiores' do que o previsto

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Medição japonesa indica que níveis são suficientemente altos para serem letais em quatro horas de exposição

Os níveis de radiação ao redor da usina nuclear de Fukushima, no Japão, são 18 vezes maiores do que iniciamente pensado, alertaram neste domingo autoridades japonesas. Na semana passada, a Tepco, operador da usina, informou que água radioativa vazou de um taque de armazenamento para o lençol freático.

Dia 21: Agência propõe elevar nível de gravidade do vazamento de Fukushima

AP
Trabalhadores inspecionam tanques na usina de Fukushima Daiichi, ao norte do Japão (foto de arquivo)

Japão: Água radioativa de Fukushima cria situação de 'emergência'

Agora a empresa afirma que leituras feitas perto do tanque no sábado mostraram que a radiação era suficientemente alta para provar-se letal dentro de quatro horas de exposição. A usina foi afetada pelo terremoto seguido por um tsunami em 2011.

A Tepco originalmente havia dito que a radiação emitida pelo vazamento de água estava a cerca de 100 microsieverts (unidade de medida de exposição a radiações ionizantes) por hora. Entretanto, a companhia fez a ressalva de que o equipamento usado para fazer esse registro podia apenas ler medidas de até 100 microsieverts.

NYT: Contratempos evidenciam fragilidade de usina nuclear Fukushima

Comissão do Japão: Erros humanos causaram crise nuclear de Fukushima

Um novo registro, feito com o uso de um aparelho mais sensível, mostrou um nível de 1,8 mil microsieverts por hora. A nova leitura terá implicações diretas para as doses de radiação recebidas pelos funcionários que passaram vários dias tentando parar o vazamento na semana passada.

Além disso, a Tepco diz ter descoberto um vazamento em outro duto emitindo níveis de radiação de 230 microsieverts por hora.

A usina passou por uma série de vazamentos de água e por quedas de energia. O tsunami de 2011 destruiu os sistemas de resfriamento de reatores, três dos quais derreteram. O dano do tsunami criou a necessidade de um constante bombeamento de água para esfriar os reatores.

Acredita-se que esse seja o quarto grande vazamento de tanques de armazenamento de Fukushima desde 2011, sendo o pior até agora em termos de volume.

Depois do mais recente vazamento, a agência de vigilância de energia atômica japonesa elevou o nível do incidente de um para três na escala internacional que mede a severidade de acidentes atômicos, cujo máximo é sete.

Especialistas disseram que a escala do vazamento de água pode ser maior do que as autoridades admitiram.

Leia tudo sobre: japãofukushima

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas