Bolívia cobra explicações do Brasil sobre caso de senador opositor Molina

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Governo boliviano quer saber circunstâncias de viagem de político, que deixou embaixada do País sem salvo-conduto

Reuters
O senador da oposição da Bolívia Roger Pinto Molina (foto de arquivo)

O ministro da presidência (o equivalente à Casa Civil), Juan Ramón Quintana, disse nesta segunda-feira que o senador Roger Pinto Molina, 53, deixou o país como um "criminoso comum", já que tem ordem de prisão decretada e uma sentença condenatória de um ano por causar prejuízos econômicos ao Estado boliviano. De acordo com Quintana, o governo brasileiro terá de explicar as circunstâncias de entrada do boliviano no País.

No domingo, a chancelaria boliviana declarou o político fugitivo da Justiça e acionou a Interpol. "A fuga converte o senhor Pinto em fugitivo da Justiça boliviana. Por isso, serão ativadas todas as ações legais correspondentes ao caso no direito internacional e em convênios bilaterais", afirmou o Ministério das Relações Exteriores da Bolívia.

Leia: Itamaraty ouve diplomata apontado como responsável por vinda de Molina

Advogado: Senador boliviano que vivia em embaixada em La Paz está no Brasil

"Por meio da polícia boliviana, o governo acionou a Interpol, não só porque há um pedido de prisão contra ele, mas porque não há registro de saída da Bolívia", acrescentou a nota. Segundo o ministro de Interior boliviano, Carlos Romero, o status de fugitivo da Justiça foi dado porque o senador saiu do país sem passar por um posto de controle migratório.

Maio: Sem salvo-conduto, boliviano completa um ano em embaixada brasileira

Molina, que liderou a oposição ao governo de Evo Morales, ficou quase 15 meses abrigado na Embaixada do Brasil em La Paz desde que pediu asilo político ao Brasil, alegando perseguição política. O salvo-conduto era negado pelas autoridades bolivianas, que alegavam que o parlamentar responde a processos judiciais no país.

2012: Bolívia critica asilo político concedido por Brasil a senador opositor

O senador foi trazido ao Brasil pelo encarregado de negócios da embaixada em La Paz, Eduardo Saboia, que estava no comando da embaixada desde o início de julho. O diplomata foi chamado no domingo de volta a Brasília pelo Itamaraty, que, aparentemente, não tinha conhecimento da operação.

Auxílio: Senador boliviano entrou no Brasil com ajuda de ministro

O Ministério das Relações Exteriores informou que abrirá um inquérito para apurar as circunstâncias da entrada do senador Molina no país. Pinto Molina chegou ao Brasil no sábado de madrugada pela cidade de Corumbá (MS), onde se encontrou com o presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado, Ricardo Ferraço (PMDB-ES).

Domingo: Itamaraty vai investigar entrada de senador boliviano no Brasil

O fiscal-geral interino do Ministério Público da Bolívia, o equivalente ao procurador-geral em exercício da Bolívia, Roberto Ramírez, também sinalizou que a instituição pode engrossar a lista de autoridades que querem explicações do governo do Brasil sobre a saída do parlamentar de oposição do território boliviano. Ele explicou que representantes do órgão analisam o caso para identificar quais as providências podem ser adotadas.

Aliado: Bolívia diz que entrada de senador no Brasil não afeta relação com Dilma

Mesmo diante das cobranças ao Brasil, o ministro da presidência da Bolívia reforçou o discurso de outros representantes do governo boliviano, de que a entrada do senador boliviano Roger Pinto Molina no Brasil não afetará a relação bilateral dos países. Anteriormente, a ministra da Comunicação boliviana, Amanda Dávila, disse que as relações entre a Bolívia e o Brasil serão mantidas em situação de absoluta cordialidade e respeito.

O senador boliviano deverá conceder entrevista no início da tarde de terça-feira no Senado. A agenda foi divulgada pelo presidente da Comissão de Relações Exteriores. No domingo, Molina conversou com exclusividade com a Agência Brasil e agradeceu o apoio da presidente Dilma Rousseff e da sociedade brasileira.

Jornada até o Brasil

De acordo com Ferraço (PMDB-ES), Pinto viajou em uma comitiva de dois carros da embaixada, com placas consulares, e acompanhado de Saboia e de dois fuzileiros navais que fazem a segurança da embaixada. Nas missões no exterior, os militares respondem não ao Ministério da Defesa, mas ao chefe da representação consular - no caso, Sabóia.

Ao fim de uma viagem de 22 horas de carro, onde passaram por cinco controles militares, incluindo os da fronteira, o diplomata teria ligado para Ferraço. "Ele me ligou e disse que estava com o senador em Corumbá, mas não tinha como levá-lo até Brasília. Tentei falar com o presidente do Senado (Renan Calheiros) e outras autoridades, sem sucesso. Então, consegui um avião. Fui buscá-lo para levá-lo para Brasília", contou Ferraço.

Ferraço afirma que Saboia contou a ele que vinha conversando havia algum tempo com o Itamaraty sobre a situação do senador boliviano.

Filha: Senador boliviano enfrentava depressão grave e 'restrições'

"Ele me disse que a situação estava se tornando inadministrável. O senador estava com depressão, sua saúde se deteriorava", disse. "Ele se sentia frustrado com a falta de uma solução e disse que, se tivesse uma oportunidade, resolveria. Não sei se o governo acreditou." Conforme o relato de Ferraço, a iniciativa do diplomata foi "ousada e corajosa".

Na quinta-feira, em audiência na Comissão de Relações Exteriores da Câmara dos Deputados, o chanceler Antonio Patriota - que cancelou no domingo uma viagem para a Finlândia em razão da fuga do boliviano - afirmou que a libertação do senador era "negociada no mais alto nível", mas que o governo brasileiro se recusava a tirá-lo da embaixada sem garantir sua segurança. No início de junho, o Itamaraty informava nos bastidores que negociava uma "saída discreta" para o caso.

*Com Agência Brasil e Agência Estado

Leia tudo sobre: roger pintoroger pinto molinabolíviaevosaboiaferraçoitamaraty

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas